Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

09
Dez19

O lado de fora.

quatro de treta e um bebé

O coração acelera e o nervosismo fala mais alto. Num ato irrefletido olho para as minhas mãos que balançam sem parar. Sem que me aperceba disso um braço cruza e o outro vai à boca como se fosse roer as unhas. E eu que nem roo as unhas. Apoio o corpo numa perna e depois noutra. Respiro fundo. Junto as duas mãos como se pedisse ajuda divina. E eu que nem acredito no divino. Ando para um lado. Depois para o outro. Dou por mim a fletir as pernas e volto a colocar-me direita. Pulo e controlo-me. Volto a dar um salto. E depois outro. E paro. Respiro fundo. E recomeço. Sem que dê por isso. Mais uma vez. E outra e outra e mais outra. Até que o apito final se faz soar no pavilhão. E o ritmo cardíaco tenta voltar ao normal, a respiração acalma e as mãos balançam cada vez menos. Não percebes como, nem porque. A adrenalina entrou em dose superior aquela que entra quando estás lá. E saí de forma mais lenta. 

Foram, quase, duas horas a jogar na pior das posições. A mais difícil. A do lado de fora.

M.

01
Dez19

O jantar de natal de empresa (do ponto de vista de uma principiante)

quatro de treta e um bebé

Este natal vou ter o meu primeiro grande jantar de empresa.

Já passei por jantares de trabalho, durante o tempo de estágio; um deles num bom restaurante, com a família dos chefes, pago pelos ditos cujos, outro deles, do lado oposto, uma refeição informal entre pessoas que trabalham juntas. Já fui convidada em jantares de empresas em que alguns dos funcionários terminaram na rua a expelir tudo o que acabavam de ingerir, numa mistura perigosa entre álcool e insatisfação.

Vale sempre o truque do costume: sorrir e acenar.

Lidar com os que nem sequer fazem um esforço, os que não se calam, os absolutamente inadequados, os de que efetivamente gostamos mas com quem não conseguimos falar.

A linha ténue que separa o divertirmo-nos do ser socialmente adequado a um ambiente mais ou menos profissional.

Este ano, pela primeira vez, participo num jantar de uma empresa maior, um jantar cuidadosamente planeado e organizado.

Mais, um jantar com tema.

Pior, com bar aberto.

Antes de mais, decidir o que vestir e tudo o que com isso anda de mãos dadas: comprar, pedir emprestado, planear e escolher.

Cometer o erro de deixar antever alguma dúvida, e a sugestão amigável passar a conselho não solicitado.

Ter a certeza absoluta de que alguém irá criticar, ou não fosse passatempo habitual ir ver as fotos dos anos passados e largar aquela frustraçãozinha em críticas algo generalizadas, sempre numa ótica de heteroavaliação, claro.

Decidir que, acima de tudo, queremos sentir-nos bem. Decidir que, já que no dia-a-dia a escolha recai sobre peças mais casuais, queremos ir com algo que nos assente bem e tenha algum efeito uau. Mas que também queremos estar confortáveis e seguras, até porque convém ser simpáticos durante o jantar, e se já vamos ter que usar aquele sorriso amarelo de vez em quando, não será fácil ter que o fazer se estivermos a agonizar com dores nos pés ou preocupados com a racha do vestido.

Tentar balançar entre o too little com o too much, afinal de contas, esta não é propriamente a minha praia.

E, depois de tudo, a preparação mental. Para ser um ser sociável e simpático, estar à vontade, mas não à vontadinha, confiante, mas não armante.

Preparar a parte social: trabalhar os músculos faciais para o sorriso, a mente para ignorar as boquinhas, os olhos para não mostrar as críticas que fazemos à empresa ou aos chefes durante a semana, lembrar de ter sempre um copo na mão para ninguém chatear, mas de lembrar que estamos, afinal de contas, num ambiente semi profissional, e que não queremos acabar a noite de gatas.

No meio disto tudo, esperar que seja minimamente divertido! Esquecer que aquilo nos chateou e desmotivou ou que aquela costuma ser insuportável, e tentar aproveitar.

Estreitar laços, conversar, partilhar ideias, motivar, e, quem sabe, descobrir pessoas que vão deixar saudades, um dia, quando partirmos para outra etapa.

E, no final, voltar ao trabalho. Abanar a cabeça ao pensar no stress e planeamento que exigiu uma única noite, cruzar os dedos e esperar que não tenham feito ou dito nada desapropriado, e voltar ao que efetivamente estamos lá para fazer: trabalhar.

Com certeza estão também vocês na época dos jantares de natal, incluindo os da empresa.

Algum conselho para uma principiante?

 

R.

24
Nov19

“Paital”: Fujam!

quatro de treta e um bebé

 

5FD7DA1A-B5ED-45E0-A44B-15700594A691.jpeg

Eis que “abriu” a época natalícia e estamos oficialmente tramados e condenados a ficar com os miúdos em casa!!!!
Eu adoro o Natal o que ajuda a ter estofo para lidar com tudo isto mas digo-vos que não é fácil!
Ora bem: “Benedita, queres ir à rua?”
- “queres!”, responde ela, assertivamente.
Penso, bem vou só ali então fazer umas comprinhas e já volto.
Entro no supermercado, penso que entrei na TOYSRUS e enquanto (quase) pontapeio os brinquedos para chegar ao fiambre, tenho a Benedita a por a mão em tudo o que é brinquedo e a dizer “queres, queres”.
Explico-lhe que apesar de estar tudo entusiasmado, o Natal é só mais para a frente.
E ela continua sem querer perceber “queres, queres bebé...panda...queres”.
Respondo: sim, filha, eu percebi mas por agora é só fiambre mesmo (risos).
Entre puxões lá a trago para junto de mim, quase, quase a chegar ao fiambre... Ups, mais uma secção natalícia, agora o “paital” em todo o lado. E “queres, queres, queres,...”
Lá a enrolo mais um bocado sempre com a treta do “ai que lindo! É, depois vemos isso, agora temos que ir”.
E ela, persistente: “paital, gio, queres”.
Ainda bem que ela não tem (ainda) grande léxico e argumentação. Teremos alturas piores. Para o ano nem saio de casa.
Pensam vocês, coitada da S., ainda não comprou o fiambre. Isso!!!!!
Mas vá, depois de algum esforço lá encontro o fiambre e coloco mais umas coisas no cesto. Dirijo-me a caixa e penso “ufa, que alívio, tenho o que quero e a miúda já sossegada!”.
NÃO!!!! Ainda travo uma batalha com as pantufas, pijamas e babygrows alusivos ao Natal.
Venço-a e sigo em frente a achar-me a Super Mãe.
Chego à caixa... e não é que o “gajo” está lá de novo?
“Paital, paital!”, alerta-me a B..
Respondo com ar desinteressado e despercebido: “diz, filha!?”.
Diz-me ela: “mais, mais, paital, paital”.
E continua o senhor de barbas, agora em chocolate, a “enfernizar-me” a vida!
Já pensei fazer um acordo com ele, o que acham?
Ele aparecer só mesmo dia 25 de Dezembro? Ali uma horinha e depois transformar-se em fumo e desaparecer!! Que tal?
Quem mais trava esta batalha?
Com paciência e de pazes feitas com Pai Natal porque o adoro,
S.

 

 

 

15
Nov19

O tempo

quatro de treta e um bebé

Olá pessoas,

 

Na semana passada a M. fez anos. Entrou nos 31 e, entre as quatro, relembrámos que há um ano atrás estávamos todas juntas a festejar os 30.

IYRX5959.jpg

Partilhámos entre nós esta foto. Uma foto do dia dos festejos dos 30. E o curioso é que como eu disse, passou 1 ano. Um ano. Como é que passou um ano desde que estivemos a festejar os anos da M.? Se me dissessem que tinham passado dois meses, eu acreditava.

Como é que nessa foto a nossa B. ainda era um bebé de colo e agora até já caminha?

Como é que ainda ontem estávamos a pensar no natal do ano passado e já estamos outra vez no natal?

É só a mim que esta passagem do tempo assusta? É que eu, genuinamente, não dei pelo ano passar. Coisas que se fizeram, coisas que se disseram, para mim foram no mês passado, não no ano passado.

Como é que passamos a semana a querer que seja sexta, o mês a querer que seja fim do mês, o ano a querer que seja ou aniversario, ou natal, ou férias, mas depois quando damos conta já foi?

Não tenho memória que há anos atrás tivesse sido assim. Não tenho memória que o tempo passasse tão depressa como nos últimos anos. E se por um lado é bom, tudo passa, o bom e o mau (felizmente este último). Por outro lado, não estamos a deixar escapar momentos, pessoas, neste passar do tempo que nos parece um nada, mas é muito? Facilmente passamos meia dúzia de meses sem falar ou ver alguém e parece que foi ontem que falámos e vimos. Acho que connosco acontece isso. E por um lado isso é bom. No nosso caso podiamos até estar o ano inteiro sem nos vermos, mas quando estamos as 4 juntas parece que estamos todos os dias. 

E lá está, se por um lado já não estamos juntas há um par de meses, parece que estivemos ontem.

Não sei se faz grande sentido o que disse, mas sei que esta coisa do tempo passar enquanto piscamos os olhos assusta um bocadinho. Quando dermos conta a B. já não é um bebé, já quer andar por aqui a escrever também.

E isso vai ser muito giro de ver…

F.

 

11
Nov19

Às pessoas.

quatro de treta e um bebé
Andei por Coimbra, Porto, Gaia, Guarda e, por fim, Lisboa. Todas estas mudanças de cidades estiveram associadas a mudanças profissionais. E as mudanças profissionais levaram à alteração, não só, do local de trabalho, da cidade, da casa, mas também das Pessoas. Pessoas que conheci nesses novos lugares, que me facilitaram a integração, com quem criei laços e desenvolvi amizades que até hoje perduram, apesar da distância, dos horários e das dificuldades em arranjar tempo, num tempo que não corre mas voa. De todas as vezes, e por causa das pessoas, as mudanças profissionais fizeram-me sentir aquele sabor agridoce. No fundo, e apesar de todas as promessas para que isso não aconteça, sabemos que há sempre alguém que fica para trás. E não é porque não sejamos amigos, ou sejamos menos amigos. Não é porque não queiramos ou não façamos o esforço. É porque é assim, porque, por vezes, torna-se difícil que duas vidas tão distantes se cruzem.

 

Não tenho dúvidas de que o que faz um lugar são as pessoas. E se fui feliz em cada uma desses lugares, se recordo com nostalgia, foi, e é, graças às pessoas. De Coimbra trouxe os "vamos apenas tomar café", do Porto as "quatro de treta", de Gaia os treinos às 7h da manhã. Da Guarda a proximidade.

 

Lisboa é diferente. Cheguei, há dois anos, àquela cidade que me foi apresentada como a cidade de onde tantos fogem pela confusão, pelo tamanho, pelo trânsito e pelas pessoas que se cruzam na rua (ou no elevador) sempre com passo apressado, sem tempo para um "bom dia". Cheguei e encontrei uma cidade cheia de luz, onde raramente chove e as temperaturas são bastantes agradáveis. Deparei-me com pessoas simpáticas e sorriso fácil. Com vizinhos afáveis, sempre com tempo para o tal bom dia. Conheci quem rapidamente se transformou em Amigo, e me faz sentir em casa. Os laços, esses, criaram raízes profundas. São e dão suporte. Seguram. Aparam as quedas. Um dia, quando me despedir de Lisboa, levar-la-ei comigo, tal como trago Vila Praia de Âncora no coração. Uma ao lado da outra. Tão longe, tão distantes, tão diferentes, mas tão "casas", as duas.

 

Hoje, termino mais uma etapa do meu percurso profissional. Pela primeira vez, não há mudança de cidade, de casa, de pessoas. Desta vez, não há sentimentos agridoce, nem despedidas, nem promessas de que vamos combinar jantares todos os meses, ou de dois em dois, ou uma vez por ano. E estou tão feliz por isso!

 

M.
02
Nov19

Amor entre rivais

quatro de treta e um bebé

Sou portista desde pequenina. Sócia desde 1994.

Desde pequena que vou ao estádio, tenho cachecóis e t-shirts, grito os golos do Porto e festejo as vitórias nos aliados.

037c619b-a59e-44ad-a2e5-6b4211a2adf7.jpg

 

Como portista que sou, estou também habituada a vencer desde pequenina.

Desde pequena que fui habituada uma certa competição com os da outra trupe. E não apenas por serem, tantos deles, um tanto ao quanto arrogantes, que não se conseguem aturar quando, ao fim de tantos anos de derrotas, lá ganham qualquer coisa, mas porque são, efetivamente, o nosso maior rival. Aqui entre nós que ninguém nos ouve (especialmente a F.), já sabemos que, pelo menos desde que esta geração se lembra, as grandes competições pendem quase sempre entre dois clubes.

A acrescer, sou portuense desde pequenina. Sou bairrista pela minha cidade, e o meu clube é o clube da minha cidade (desculpe-me o axadrezado). Sempre torci o nariz à centralização, a ter 90% de notícias da outra cidade no telejornal, a ouvir o tempo para a capital, a ver o trânsito apenas para a capital, como se, fora daí, nada se passasse. Isso também se vê no futebol, nas reações diferentes às vitórias do meu clube nos jornais, sites desportivos, telejornais, e outros que tal, a ter programas da manhã dedicamos àquela vitória esporádica dos vermelhos mas ter, anos a fio, apenas um cantinho dedicado à vitória dos azuis.

Como ferrenha desde pequenina, sempre disse, de nariz empinado, que não namoraria com um daqueles do outro clube.

Quis o destino, em tom jocoso, que me aparecesse à frente o J. E eu, feita inocente, não me lembrei de lhe perguntar o clube antes de me apaixonar. E, depois, já não fui a tempo.

Quis o destino, gozando comigo, que, contrariando aquilo a vinha habituada desde pequenina, desde que namoramos que o clube dele ganha mais do que o meu.

Tentando ver o lado positivo da coisa, ao fim ao cabo, ninguém é perfeito, menos mal que o defeito do J. é tão fácil de descobrir.

0830af44-e093-42b2-84d0-3c95c8524161.jpg

 

Por outro lado, quando era pequenina, não fazia ideia do que seria um Famalicão. Tão pouco sabia, como a maior parte das pessoas só veio a descobrir no ano passado, que Famalicão teria um clube de futebol. Tão pouco imaginava, tal como a maior parte das pessoas só se foi apercebendo quando o Famalicão chegou e se manteve no primeiro lugar, que seria um clube capaz de ser competitivo na primeira liga.

Aí sim, descobri a melhor parte do futebol. O prazer de torcer pela mesma equipa que a pessoa que está ao nosso lado.

Aí, o destino quis compensar-me e ser bom para mim, dando-me a oportunidade de torcer, com o J., por um clube azul e branco. E que bom que é! (não é, J., e pode ser mais do que um jogo por jornada assim, se tu quiseres… - numa derradeira tentativa de o convencer)

bbc5ebc1-8fa5-4093-9409-5fe2d9d6383d.jpg

 

Hipocrisias à parte, e como, para um ganhar, o outro terá de perder, confesso que eu torço principalmente pelo meu clube mas um bocadinho também pelo clube que está a jogar contra o meu rival, pelo menos enquanto a luta pelo primeiro lugar for tão acesa como nos últimos anos. Contudo, podemos fazer isso tudo e ter respeito uns pelos outros, que o respeitinho é muito importante, e, acreditem em nós, é possível. Especialmente porque sem o nosso clube ganhar, de pouco importa o outro perder, pelo que o que o clube deveria fazer é preocupar-se consigo e o seu jogo, e, quanto aos outros, bem, estar macagar.

Nem sempre é fácil, nem sempre é tranquilo, duas vezes por ano futebolístico, pelo menos, a nossa amizade é posta à prova, um fica sempre mais feliz do que o outro no final do ano. Felizmente, o J. não é tão ferrenho quanto eu, e conseguimos, para já, sobreviver e até gostar de ver futebol em conjunto.

Resta-me a esperança de que o azul e branco do Famalicão se entranhe tanto que expulse o vermelho de dentro dele, e uma rapariga pode ter esperança, certo?!

 

R.

26
Out19

Mais um!!

quatro de treta e um bebé

Ora vamos a isso: mais um.
Mais um casamento de amigos. Mais uma festa até de manhã. Mais uma união que testemunhamos cheios de orgulho e mais umas quantas lágrimas - sim, eu sou daquelas que chooooorrrraaaa, choooorraaaa-!
Amanhã a Benedita fará a sua estreia na passadeira vermelha: tem a missão (espero que não impossível) de levar as alianças.
Neste momento faz o seu sono de beleza (já lhe disse que mais bela é impossível mas ela é persistente!); mal sabe o que a espera.
O casamento de amigos é sempre um privilégio e quando mais chegados, mais especial se torna. É o caso de amanhã: Casa uma das melhores! Estou tão feliz!!
Dispensava a rotina matinal de “cabeleireirÓmaquilhagem” mas para se ir em “bom” vale tudo.
Uma mulher sofre!! Mas há quem não tenha grandes preocupações.
Perguntei há pouco: Tiago, já tens tudo pronto?
Resposta: sim, amanhã de manhã, vou a lavandaria buscar o fato.
Por um lado, gabo-lhes a sorte. Por outro, ou são lindos-assim-memo-lindos (como o meu!!!!) ou também não têm muito por onde melhorar.
Não me vejo a casar assim neste modelo tradicional mas adoro as festas dos outros.
Amanhã há mais UM GRANDE DIA e fica mais perto o dia em que chegará mais um sobrinho!

A delirar,
S.

16
Out19

Os meus amores pequeninos (parte 2)

quatro de treta e um bebé

Não imaginava o que seria o amor de tia.

Ser tia nunca foi uma ambição minha, tão pouco um plano, um desejo, sequer uma eventualidade pensada.

Como já vos contei, fui filha única até aos 19 anos, quando nasceu a S.

Não ter irmãos significava não ter nada do que vem associado à irmandade; mormente, significava não ter sobrinhos.

Naturalmente, após nascer a S., sobrinhos não foi, de todo, uma ideia que tivéssemos contemplado. Afinal de contas, a S. acabou de fazer 9 anos, pelo que espero que não me dê essa novidade durante muito, muuuuiiiito tempo.

Talvez em relação aos meus primos, a relação mais próxima desse género, os meus brothers from another mother, ainda imaginasse vir a ser tia, mas, novamente, nada de muito pensado, planeado, ou sequer ambicionado.

Surge o J. e com ele traz não um, não dois, não três, mas quatro irmãos. Ainda assim, sobrinhos, nem pensá-los.

Passam uns anos e nasce o A. Uns anos depois, nasce o D.

E heis que dou por mim uma tia babada.

Sim, sim, tia. A irmã é do J., mas os sobrinhos são nossos.

Fosse o J. diferente, fosse eu diferente, ou fossemos nós diferentes, e até poderia nem ser assim. Mas não somos; somos assim. A loucura da minha família já é dele, e a loucura da família dele já é minha. Vejam lá que o J. já merece ser individualizado no discurso de agradecimento dos 80 anos da minha avó M. (e olhem que foi um momento muito solene!).

De entre tantas coisas boas que o J. trouxe à minha vida (ele próprio incluído), trouxe-me também dois amores pequeninos.

Descobri recentemente este novo sentimento, o amor de tia – e tão bom que é.

Sim, sou daquelas tias babadas que fala dos sobrinhos como se tivessem acabado de ganhar a bola de ouro, ou um óscar, ou o nobel da paz. Daquelas que se baba a ver os vídeos e as fotografias das peripécias dos pequenos. Mesmo daquelas que volta e meia diz “sabes que os meus sobrinhos fazem isto e aquilo”.

É que, não é por serem meus, mas são, efetivamente, os sobrinhos mais fofos de todo o universo.

Ser tia, descobri eu, é algo de fabuloso.

Ser tia é ter a oportunidade de ser uma figura de referência, é poder ser um porto de abrigo, uma amiga que é mais do que isso, e, quando os pais nos permitem e nos incluem da forma inclusiva como a irmã do J. o fez, a possibilidade de, junto dos pais, participar ativamente na vida de bebés/crianças/jovens/adultos que, não sendo nossos, o são.

É ser uma companheira de aventuras e brincadeiras, ser aquele adulto que, como o Panda, é fixe. Ser, como o J. gosta de dizer, “os tios malucos” (ou, como eu prefiro, “os tios favoritos”).

Mas também estar pronta para se for preciso ser o adulto que diz “não, isso não”.

É que isto de ser tia não é só folia, também é responsabilidade!

É perceber que somos importantes para aqueles seres tão pequeninos, entender que eles sentem a nossa falta, que nos estranham e ressentem se ficamos ausentes, que a nossa validação é importante e que o nosso apoio pode ser decisivo.

Quanto ao nosso grupo, a S. contemplou-nos com a felicidade de sermos tias emprestadas da nossa B., pelo que de tudo faremos também para tornar a vida da pequena B. mais feliz, com essa benesse e bem-vinda responsabilidade que nos foi atribuída.

Tive a sorte de ter tios e tios-avós fabulosos que marcaram, e continuam a marcar, a minha vida de uma forma muito positiva e muito importante.

Espero poder vir a, de certa forma, retribuir, tudo o que recebi enquanto sobrinha, como tia.

Até lá, e sempre enquanto mo permitirem, espero poder ser uma presença positiva na vida destes meus amores pequeninos.

3.jpg

R.

10
Out19

Direito de Resposta de Hezalel ao texto "O meu anjo da guarda abandonou-me!"

quatro de treta e um bebé

"Tem direito de resposta nas publicações periódicas qualquer pessoa singular ou coletiva, organização, serviço ou organismo público, bem como o titular de qualquer órgão ou responsável por estabelecimento público, que tiver sido objeto de referências, ainda que indiretas, que possam afetar a sua reputação e boa fama", art. 24.º, n.º 1 da Lei da Imprensa (Lei 2/99, de 13 de janeiro).

Era desta forma que começava a carta que me foi dirigida, e que infra transcrevo, enviada pelo meu querido anjo da guarda, exigindo a publicação da mesma neste blog, que até então tinha algum nível nos artigos publicados. 

Li e reli o artigo supra citado. Acho que conseguia arranjar justificação plausível para não o fazer. Desde logo, e sem entrar nos pormenores da reputação ou boa fama, o meu anjo da guarda não se trata de uma pessoa, organização, serviço ou organismo público, nem me parece ser titular de qualquer órgão ou responsável por estabelecimento público. No máximo será responsável por mim, função que desempenha, digamos, com algum desdém! Mas enfim! Revirando os olhos, enquanto encolho os ombros,  e sob protesto, decidi ceder ao seu "pedido" e acreditar que, desta forma, a partir de hoje, as coisas mudam e as paz prevalece entre nós. Torçamos por isso. Que esta exposição pública não seja em vão. Ou que, pelo menos, me permita pedir uma indemnização...por danos morais.

"Queridos leitores, 

Ao contrário do que foi aqui publicado, a 16 de agosto de 2019, durante estes quase 31 anos (sim, Ela diz 30, mas são quase 31) sempre exerci as minhas funções com total empenho e dedicação. Efetivamente estou cansado, (afinal quem é que trabalha 31 anos, sem paragens, e não se cansa? Nem os anjos!) mas nunca o meu cansaço foi sinónimo de desleixo. 

Dou por mim, por vezes, a tentar perceber que mal terei feito numa outra vida, para que me tivesse calhado Esta pessoa na rifa. Quando levanto esta questão em grupo, é-me respondido, cada vez com menos convicção, que os grandes desafios são entregues apenas àqueles com capacidades para os superar. Cliché! Mas ainda assim, acreditando que merecia melhor, aceitei o desafio e em momento algum me desligo da Pessoa ingrata de quem sou o anjo da guarda. Se bem que mesmo que tentasse, acho que a campainha do perigo tocava. 

Durante estes 31 anos, e por mais difícil que seja, nunca A abandonei. Recordo-me, por exemplo, de quando concorreu à faculdade. Andava numa época em que só via séries criminais, e no momento da candidatura, deixou Direito e Coimbra em 2.º opção e concorreu para Ciências Criminais, no Porto. Acham que foi fácil, retirar-lhe uma décima da média para que não entrasse em Ciências Criminais? Mesmo assim, teimosa, entrou em Direito a pensar na especialização em Penal. Especializou-se em Imobiliário e nunca, ao longo destes anos, trabalhou em Penal por opção. 

E a paixão platónica pelo rapaz mais feio que alguma vez viram? Foi duro, desgastante e obrigou-me a trabalhar em conjunto com o anjo da guarda do tal rapaz, para lhe encontrarmos uma namorada e dessa forma esperar que Ela não se atrevesse a chegar perto. Para que tenham alguma noção, o meu colega ainda hoje se emociona quando relembrar o momento em que finalmente encontramos a tal namorada, e diz, entre lágrimas, que nunca conseguirá retribuir essa ajuda.

A lista é extensa e infinita. E ainda agora, enquanto vos escrevo, Ela está a tentar desviar-se do percurso. Contudo, contra tudo e contra todos (ou talvez só contra ela própria), continuo cá, firme e forte. Com 1,80 e corpo musculado. E totalmente disponível caso algum de vocês, caro leitores, pretender me contratar.

Tenho experiência nas mais variadas áreas, podem acreditar. E sucesso em tudo onde meti a mão. Basta olhar para Ela. Sou trabalhador e não desisto. Se não desisti dela, acreditem, não desistirei de vocês.

Hezalel, o verdadeiro Anjo da Guarda."

M.

04
Out19

As mentiras que contamos na vida adulta

quatro de treta e um bebé
Desde pequenos que nos ensinam a não mentir.
Claro está que uma interpretação restritiva desde logo nos diz que o que se quer proibir são as grandes mentiras, e não aquelas mentirinhas pequenas que não fazem mal a ninguém, as chamadas “ white lies”.
Atenção, estão a falar com uma pessoa que não só não gosta de mentir, como não o sabe fazer, por isso acreditem quando vos digo que estas mentiras não são as “ mentiras más”.
Contudo, todos nós, desde pequeninos, acabamos por recorrer àquela mentirinha pequena, aquela omissão oportuna, aquele engano inocente, aquela frase que dita daquela maneira não é bem mentira, aquela desculpa.
Só que as mentirinhas da criança são bem diferentes daquelas da vida adulta.
 
Quando erámos pequenos, as mais famosas eram as “ já arrumei o quarto” como sinónimo para “atirei tudo para dentro do armário”, a “já lavei os dentes”,  “arruma tu hoje, que eu arrumo amanhã”; o meu favorito, “já vou”; o “esqueci-me da caderneta” (aliás, o “esqueci-me” como sinónimo para “não quis fazer”); o "não me dói nada"; ou, o mais popular de todos, o “não fui eu”.
 
Na vida adulta, quando já ninguém nos obriga a arrumar o quarto ou a lavar os dentes, as mentirinhas que contamos tornam-se muito diferentes, várias vezes inconscientes, e na sua maioria, contadas a nós próprios.
 
As mais habituais:
- amanhã não vou sair tão tarde;
- ao menos para a semana as coisas vão acalmar;
- quando chegar o próximo mês vou ter muito mais tempo livre;
- vamos marcar qualquer coisa;
- fiquei sem bateria;
- li e concordo com os termos de utilização;
- não engordei, estou só inchada, de certeza que o problema é ainda não ter ido à casa de banho hoje;
- estas calças encolheram na máquina;
- ele/ela é assim, mas vai mudar
- Este mês gastei demais, mas no próximo vou de certeza compensar
- Respondi-te mas esqueci-me de carregar enviar (apesar de, na verdade, isto me acontecer mais vezes do que gostava de admitir)
- Já vou a caminho
- Nem gostava assim tanto dele/dela
- Já o/a esqueci
- Isto não é muito calórico
- Não vi a tua chamada
- Só mais 5 minutos
- Ainda tenho tempo, faço isso amanhã
- Já tenho planos
- Deve ter ido para a caixa de spam
- Respondi mas não tinha a internet ligada
- Não foi muito caro

E, a pior de todas, “as coisas vão melhorar”. Essa é a mais nefasta, pois as coisas só melhoram quando nos aprecebemos de que estamos a mentir; as coisas não mudam só porque sim, e só melhoram quando tu mudas a tua atitude, ou mudas as coisas.

Mentimos aos outros, em grande parte das vezes, porque, como ouvi dizer outro dia, "não somos ricos o suficiente para podermos dizer o que achamos". Também para tentar libertar da pressão que nos colocam para não falhar, para responder logo, para estar sempre presente.

Mentimos a nós próprios para nos alegrar, para não desesperarmos, para criar alguma esperança, para nos permitir fazer algo que sabemos que não devemos fazer, para nos sentirmos melhor connosco próprios.

E vocês, que mentirinhas costumam dizer?

Verdadeiramente,
R.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D