Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

30
Ago18

Warner Bros. Studio Tour London - Harry Potter

quatro de treta e um bebé

Olá pessoas!

 

Hoje, venho falar-vos de uma das minhas (muitas) paixões. Tal como a M., há em mim, também a caminho dos 30, uma criança/adolescente que não me parece crescer.  

IMG_4195.JPG

O Harry Potter fez 21 anos e eu podia dizer que o acompanho desde o início, mas estaria a mentir.  Lembro-me de andar na escola e ter colegas a ler os livros. Lembro-me de quando saíram os filmes e de ver o primeiro. Lembro-me de ter ido ao cinema ver o Harry Potter e o cálice de fogo, mas ficamos por aí. Não me fascinava na altura, não entendia toda a curiosidade e sururu à volta dos filmes. Os livros, nem li, na época.

Já andava eu na faculdade, em 2011, quando sai o último filme do Harry Potter, decido ver os filmes todos de enfiada e, claro, apaixonei-me. Adorei todo aquele mundo, só queria, também eu, receber uma carta de Hogwarts, saber fazer magias, enfim, tudo aquilo que eu devia ter vivido quando andava no básico estava a viver com 20 anos.

A partir de então, fiquei sempre com o bichinho do Harry Potter e em 2016 pedi à minha amiga Cat (com quem já tinha partilhado o gosto pelos filmes) para me emprestar os livros, porque queria lê-los. Todos, ler os 7 livros de uma vez! (sabia que já pouco me lembrava dos filmes, e ler os livros seria especial) E pronto, os 7 livros foram lá para casa e, voltei a apaixonar-me, mais e mais, a cada livro que ia lendo. Porque aqueles livros são especiais, são tão bem escritos, com histórias tão bem pensadas, só dá vontade de ficar o dia inteiro a ler. E foi a meio da minha leitura dos livros do Harry Potter que, o ano passado, eu e três amigas, decidimos que este ano iríamos a Londres. E o que é que há em Londres? Isso mesmo, os estúdios do Harry Potter (eu sei que vocês não pensaram imediatamente nisto quando eu falei em Londres ahah). E como é que eu podia deixar passar a oportunidade de lá ir? Não podia. Por isso, no primeiro dia em Londres, rumámos aos tão famosos estúdios e a todo este mundo de magia.

Em primeiro lugar, como chegar aos Estudios? Pois bem, começámos por apanhar o metro para Euston (nós estávamos em Earl’s Court, pelo que apanhámos o metro de lá, mas é só apanhar o metro do sítio onde estiverem e pararem na estação Euston). Em Euston apanhámos o comboio rápido em direcção a Watford Junction, o que demorou mais ou menos 35 minutos (todas estas viagens, de metro e de comboio, nós pagamos com o Oyster – cartão pré-pago para viajar nos transportes públicos - saibam mais aqui). Em Watford Junction apanhámos o autocarro especial para o Parque do Harry Potter.

IMG_5027.JPG

O bilhete para este autocarro custou-nos 2,5£.

Aconselho-vos a comprar os bilhetes para o Parque antes de irem para Londres. Comprem no site e uma vez que é necessário marcar hora para a visita, façam as contas e marquem uma hora que seja confortável para vocês, já contando com os transportes até lá. Nós marcámos para as 16h. O preço do bilhete foi de 41£, o que dá aproximadamente 48€. Também não se esqueçam de alocar tempo suficiente para a visita, nós entramos pouco depois das 15 e só saímos já passava das 20h.

Logo quando chegamos, vamos à bilheteira trocar os bilhetes online por uns maravilhosos passaportes (que nós pensávamos que íamos ter que pedinchar, pois o que tínhamos lido em diversos blogs é que só ofereciam os passaportes às crianças!) e temos logo as peças de xadrez e várias capas de jornais na entrada exterior.

Entrámos nos Estudios propriamente ditos e começamos logo a ver placards dos filmes, fotos e somos levados por um corredor com frases de diversas personagens...

 

...Até chegarmos ao átrio principal onde se encontra um grande cálice de fogo e a loja dos estúdios.

(créditos destas duas fotos: https://www.instagram.com/susanacplima/)

 

Como ainda faltavam alguns minutos para as 16h, decidimos ir à loja, com calma, para ver tudo o que havia para ver e para comprar, assim, no fim da visita seria mais fácil saber o que queríamos. A loja é o mundo e eu tive pena que não me tivesse saído o euromilhões para poder trazer metade do que lá havia! As coisas são um bocadinho caras, pelo que, convém irem com essa ideia e se quiserem, dêem uma olhadela pela loja online, que já ficam com algumas ideias do que podem encontrar por lá e os preços.

Finalmente à hora marcada lá entramos para a nossa visita e não podia ser mais gira e mais mágica!

Primeiro somos recebidas numa sala escura, com vários monitores com as capas dos filmes de diversos países ao redor do mundo. Passamos para uma sala "género cinema" onde vemos um pequeno filme e eis que a visita pelos recantos de Hogwarts está prestes a começar… 

Curiosidade: Antes de abrirem a porta que dá acesso aos estúdios propriamente ditos, o funcionário que nos acompanha pergunta se alguém faz anos naquele dia! Se sim, dão a oportunidade ao aniversariante de ser ele a abrir a, majestosa, porta.

Et voilá, estamos na sala de jantar de Hogwarts.

Curiosidade nº 2: Na sala de jantar, encontra-se o cálice de fogo e é, quase como que, reencenada a cena do filme, em que o cálice cospe o nome do Harry Potter cá para fora! E imaginem, nós trouxemos o papelinho ‘queimado’ com o nome dele, tal como no filme!

Mas bem, não me querendo alongar demais, deixo-vos mais algumas fotos que fui tirando! Não esquecer que dentro dos estúdios podem provar a cerveja de manteiga que eles tanto bebem, podem entrar dentro do carro voador, podem simular um voo de vassoura e podem até chamar a vassoura para a vossa mão! “Up” e ela vai direitinha à nossa mão.Por lá encontramos o gabinete do Dumbledore, as roupas que foram usadas nos filmes, os retratos (o da dama gorda por exemplo), a sala da aula de poções, o quarto dos rapazes, a sala comum dos Gryffindor, o gabinete da Umbridge, a floresta proibida (onde se encontram as aranhas, em especial a Aragog, o Buckbeak) etc. Mas não pensem que os cenários são todos estáticos ou que a única coisa interactiva é o momento de conseguir fazer voar a vassoura, não, também temos a casa dos Weasel, onde muitas coisas acontecem; na floresta proibida temos todos aqueles sons estranhos, temos fumo... temos um bocadinho do que é estar em Hogwarts, do que é estar no mundo do Harry Potter...e que fã da saga não quereria vivenciar um bocadinho de toda aquela magia? 

 

Para quem gosta do Harry Potter é uma visita a não perder. Compensa o dinheiro pago pelo bilhete. Em certos momentos parece que estamos mesmo dentro do filme. Foi uma tarde muito bem passada e onde fui muito feliz.

 

 A viagem a Londres merece um post, daqui a uns tempos, com dicas, sítios onde ir, preços, fotos e toda a minha experiência por lá. Em breve, por aqui…até lá digam-nos se já foram aos Estúdios e se gostaram tanto como eu!

 

QSPK5763.jpg

crédito desta foto: https://www.instagram.com/susanacplima/

 

F.

27
Ago18

Eh Touro!

quatro de treta e um bebé

Imagem relacionada

Bem sei o quão polémico é aquilo sobre que escrevo.
Contudo, a alma de "poveirinha de gema" - embora emprestada - vibra com o espectáculo da tourada!!
Sim, adoro touradas!!!
Todos me questionam sobre tal e nas mais das vezes o olhar com que me fitam diz tudo e transparece a indignação que se lhes assola.
As interrogações são mais que muitas: "Como?", "Porquê?", "E não tens pena do touro?", "Consegues pagar para ver sofrer os animais?".
Respeito. Percebo a mensagem que me querem passar, penso sobre isso, mas concluo sempre da mesma forma: "gosto disto!".
É cultural! Costumo dizer a quem me questiona directamente que, apesar de tudo, encontro algum equilíbrio no espectáculo.
Após cada lide, também os forcados enfrentam o touro e arriscam a própria vida.

Dir-me-ão: mas esses escolhem fazê-lo, o touro não!
É verdade! No entanto não deixa de haver no mesmo espectáculo um equilíbrio nesse sentido. São tantas as pegas quantas as lides.
Todos os anos visito a praça da Póvoa de Varzim; uma vez, pelo menos. Mal sai o cartaz corro para comprar o meu bilhete.

Adoro as vestes, adoro os cavalos, adoro a melodia, adoro o espectáculo, as lides, as pegas, a vibração de quem assiste ao espectáculo ao vivo.
No entanto, permitam-me a cobardia:
Este amor é uma espécie de amor tímido. Gosto muito mas não tanto que se saiba. As pessoas julgam e julgam-me mal.
"Se gostas de touradas então"... e lá vem a quantidade de predicados (dos "bons"!).
Por aí alguém se junta a mim?

 

Com respeito,

S.

 

Espreitem, ainda:

https://www.facebook.com/tourada.cavalos/videos/112432569706624/

 

23
Ago18

Barriga vazia não conhece alegria #1

quatro de treta e um bebé

Olá pessoas!

 

Hoje trago-vos uma receita de panquecas, que costumo fazer ao pequeno almoço, super simples e mega deliciosa.

Não, não são panquecas “fit”, não, não são panquecas com aveia, nem com banana, nem sem gordura. São simplesmente panquecas, normais e deliciosas!

Se podemos adaptar a receita e torná-las mais saudáveis? Podemos. Faço-o diversas vezes, mas às vezes o que precisamos é mesmo de umas panquecas com farinha de trigo, com manteiga, com leite, com isso tudo. Mas, se não forem como eu, e não precisarem, podem sempre substituir os ingredientes por aqueles que vos parecer melhor. Não obstante, num outro post trarei algumas opções de panquecas mais saudáveis. Por aqui, há espaço para tudo.

IMG_0407.JPG

Vamos lá então.

 

Ingredientes:

20 g de açúcar

300 g de leite

1 ovo

45 g de manteiga

Uma pitada de sal

200 g de farinha (com fermento)

 

Modo de preparação:

Juntem tudo, batam, e voilá... É só pôr em pequenas colheradas numa frigideira antiaderente, sem qualquer gordura (se esta não pegar) ou com um bocadinho de manteiga (também podem pôr óleo de côco, o que preferirem).

Podemos bater num robot de cozinha, numa liquidificadora ou até com a varinha mágica. Eu ponho todos os ingredientes numa taça e bato com uma batedeira manual de varas. Não gosto de mexer muito as massas com farinha de trigo, de modo a que o glúten não seja tão activado e as panquecas fiquem mais fofas.

IMG_1287.JPG

 

A manteiga pode ser em barra e, se for, terá que ser amolecida no micro-ondas uns segundos. Se não, podem usar manteiga líquida que serve perfeitamente.

Eu gosto delas altinhas, fofas e com um tamanho médio, pelo que uso uma concha de sopa para medir a massa que ponho ao lume.

Assim que virem que a massa faz bolhinhas, está pronta a virar. Façam sempre em lume baixo, de forma a não queimar.

Gosto de servir apenas com mel ou com mel e frutas que tenha em casa. Mas podem usar outros toppings à escolha. Normalmente faço as panquecas ao domingo (dá +/- para 8 panquecas esta receita) e guardo-as no frigorífico durante a semana. De manhã é só por num prato, vai ao micro-ondas 20 segundos e estão prontas a comer. Aguentam bem os 5 dias da semana se estiverem no frigorífico.

 

IMG_1292.JPG

IMG_1309.JPG

 

Experimentem e partilhem connosco no Instagram e no Facebook! Fico a espera do vosso feedback!

 

F.

20
Ago18

Ao querido namorado.

quatro de treta e um bebé

Ao longo de toda a nossa vida somos obrigados a abdicar de coisas. Desde cedo que os nossos pais, avós, pessoas adultas em geral, nos tentam ensinar isso. Ora não podes ir. Ora não podes comprar. Ora ou isto ou aquilo. Sempre vivi bem com isso. Bem! Se calhar nem sempre. Mas, pelo menos, não vivi mal o suficiente ao ponto de levar a birras memoráveis.

 

No básico, dizia que ia casar com um jogador de futebol. Viajar pelo mundo. Viver no verão durante os doze meses do ano. Ter uma casa enorme, com piscina, jardim, campo de jogos, e alguém que cuidasse dela por mim. Abdiquei disto por amor. Porque o amor era um zero à esquerda no futebol. Tão à esquerda que nem para a equipa B do FCPorto dava, quanto mais para ser titular no Âncora Praia.

 

Na faculdade, sonhava com a serenata à janela. Estudei em Coimbra, era o mínimo que podia ter feito. Contentei-me com um bombom Serenata de Amor. Afinal o amor é isso, não é? Ver os pequenos gestos como se fossem gestos gigantes (leiam isto com aquele tom que usam quando estão desiludidos e conformados ao mesmo tempo, porque é dessa forma que o estou a escrever).

 

Recentemente, decidi que quero ser pedida em casamento na Passagem de Ano, em Nova Iorque, com um anel de noivado estilo Kate Middleton.

E desta vez não há amor que resista. Como já li por aí, ou é assim ou então nem caso (e estou a escrever isto com ar de importante e nariz empinado, e é bom que isso fique claro para todos).

Já passei a informação às amigas. Elas sabem qual é o anel e onde se compra. Qualquer dúvida elas estão aptas para esclarecer.

A viagem compra-se numa agência qualquer de viagens, não sou esquisita.

Como sou uma pessoa prevenida, deixei dois dias de férias por marcar. Para "eventuais eventualidades".

O pedido de casamento é uma eventualidade não é?

Mas sem pressão! 

New-York-1.jpg

 

M.

Pág. 1/3

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D