Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

27
Mai19

"Se a abstenção resolvesse alguma coisa, Portugal estava óptimo"

quatro de treta e um bebé

Olá Pessoas, 

Então parece que ontem foi dia de Eleições e que, em Portugal, houve resultados de abstenção históricos. 

Eu francamente não entendo pessoas que não votam. Nomeadamente não entendo mulheres que não votam. 

Como e que em pleno século XXI, ano 2019, ainda consentimos que os outros votem por nós? Sim porque não votar é deixar que quem vota o faça por nós, é deixar que escolham em nosso nome.
Como é que estamos em 2019 e continuamos a achar que não é importante votar? Votar é sempre importante, votar nas europeias é importante. Não esquecer que é de lá que saem muitas das "leis" que vamos aplicar ao nosso país, e de lá que saem as directivas que temos que transpor, são eles lá que dão a cara por nós! Estão lá a representar-nos. Como e que não nos importamos com isso? Aliás, eu importo, eu votei, quem não vota, claramente não se importa. Porque? Não sei.
Está bem, estão todos fartos de política e de políticos, está bem. Mas vivemos numa democracia e a única forma de começar a fazer a diferença e ir às urnas, é tentar por nos sítios pessoas que pugnem por nós. E não adianta de nada estarmos fartos de política porque ela vai continuar a existir. E é através dela que vamos continuar a evoluir, que vamos continuar a fazer escolhas e que vão continuar a haver pessoas a escolher por nós.

Dizia eu no início que não entendo quem não vota, especialmente as mulheres. E digo, não entendo mesmo! Só há 125 anos é que podemos votar, em Portugal só desde 1931 é que adquirimos o direito de voto, e atenção, não era um direito pleno, só algumas mulheres o podiam fazer (como por exemplo estudantes universitárias e com cursos superiores). A lei eleitoral tal como conhecemos hoje é data de 1979! Em pleno século XXI há lugares em que as mulher ainda não podem votar, e nós, privilegiadas, que nunca tivemos que lutar pelo direito/dever de votar, que não tivemos nenhum familiar a morrer na luta para as mulheres votarem, que simplesmente nascemos assim, privilegiadas e a saber que temos direito a votar como qualquer homem, chegamos ao dia de eleições e escolhemos não ir. Escolhem não ir. Não compreendo. Acho aliás que é uma falta de respeito por todos os que lutaram por algo tão básico como o direito de voto.
E não me digam que não estavam cá, que estavam a trabalhar etc etc porque era possível votar antecipadamente, havia alternativas. Não se justifica quase 70% de abstenção. Não se justifica.

Shame on you que não foram votar. Agora fiquem aí, nos vossos telemóveis, nas redes sociais, a mandar vir e a criticar tudo e mais alguma coisa, comportem-se como se tivessem tentado mudar alguma coisa, mesmo com uma coisa tão simples como votar. E vejam lá se nas próximas eleições,  voltam a ficar no sofá, ou na praia, e não tirem uns minutos do vosso dia para irem votar. Deixem que os outros escolham por vocês.. E depois queixem-se...

F.

22
Mai19

Furacão.

quatro de treta e um bebé

Pegou na mochila e colocou nas costas com o solavanco típico da criança de 5 anos que puxa o casaco que ficou preso nas alças. Encarou-o pela última vez. Sabia e queria que fosse assim, mas porquê que, naquele momento, ir embora não fazia qualquer sentido? Afastando os pensamentos que a invadiam inoportunamente, voltou-se e dirigiu-se à porta. Sem olhar para trás. Respirou fundo, enquanto levantava a cabeça, e empinando o nariz deu início ao último passo. Sabia que quando o fizesse, quando pousasse o pé no chão, era de vez. E isso assustava-a.

Com certezas, mas sem convicções, deu aquele passo. E a seguir o outro e o outro e o outro. Dirigiu-se ao lugar 29A, e sentou-se. Levou as mãos de encontro à cara enquanto o turbilhão de ideias tentava também ele ocupar o seu devido lugar. Já está, pensou! Havia um aperto no peito. Uma vontade de voltar, de fazer tudo de novo. Começaram a ouvir-se gritos ensurdecedores que diziam para se levantar, para ir, para fazer, para recomeçar... O corpo não respondia. Não mexia. E os gritos ensurdecedores foram ficando sem voz. Persistentes, esforçavam-se para se fazerem ouvir. Ao longe, cada vez mais longe. O corpo, esse, continuou impávido e sereno.

O avião partiu. Em jeito de alívio, voltou a levantar a cabeça e encostar-se para trás no banco. Respirou fundo, mais uma vez.

Porra!

Apercebera-se que acabara de passar um furacão na sua vida. Chegou de repente. Depois daquele dia de sol, onde nada fazia prever que as poucas nuvens escuras que começaram a preencher o céu causariam tamanho estrago. Fazendo jus ao nome, levou tudo na frente e foi deixando um rasto ao longo do caminho. Por fim, perdeu a força e desapareceu. Da mesma forma que chegou. Devagar, mas com tudo.

Depois da tempestade passar, o sol volta sempre a raiar. E voltou. Mas às vezes ainda pensa e se tivesse olhado para trás?

 

M.

16
Mai19

O Mundo precisa de bondade

quatro de treta e um bebé

Precisamos, urgentemente, de praticar a bondade.

 

Menos do que praticar exercício, menos do que laborar, menos do que gastar, menos do que preocupar, precisamos de praticar a bondade.

 

Bem no início, quando ainda nos estávamos a apaixonar um pelo outro, numa discussão filosófica às custas de um tema qualquer, diz-me o J.: fazer o bem custa tanto ou menos do que fazer o mal, por isso porque é que havemos de fazer o mal?

 

Mal sabia ele, naquela altura, de que aquela frase, aquele espírito, tinha sido melhor do que qualquer frase de engate que pudesse ter descoberto.

 

É bem verdade. Dizer que fazemos o mal porque custa menos do que fazer o bem não passa de uma mentira que contamos, para convencer o Mundo, mormente para nos convencemos a nós próprios. No entanto, não passa disso. Em bom português, é treta.

 

Aprendi ao longo da vida que cada um de nós trava uma batalha própria, alheia aos olhos da maior parte das pessoas. Sem exceção, todos temos demónios. Sejam eles quais forem, todos nós carregamos fardos, bagagem, lutas internas.

 

E precisamos de bondade. Precisamos tanto de bondade.

 

Parar de pensar para dentro e olhar para quem temos ao nosso lado. Será que há algo que podemos fazer por essa pessoa? Será que essa pessoa está bem? Já lhe perguntamos hoje se essa pessoa está bem, mas mesmo perguntar, porque nos preocupamos, e não apenas para fazer conversa?

 

Às vezes é tão simples quanto um sorriso. Como um abanar de ombros de compreensão pela pessoa que errou mesmo à nossa frente, em vez do habitual palavrão ou desprezo, lembrando que também nós, nalgum momento, já fizemos erros idiotas.

É tão simples quanto mandar uma mensagem. Pode servir de pouco, pode não ter resposta, mas praticámos a bondade. Pode ser tão simples quanto um “lembrei-me de ti, espero que estejas bem”. Por vezes, palavras tão breves e simples podem salvar um dia.

 

A bondade não precisa de resposta, não exige obrigados, não espera retribuições. A bondade, pelo contrário, vale por si só.

 

Sejamos menos egoístas, mais atentos. Menos impulsivos, menos irritadiços. Direcionemos menos a nossa raiva ou frustração para os outros, e olhemos bem para dentro, para vermos o que de verdade se passa, para podermos tratar de nós próprios. Com bondade.

 

Não custa mais, não se paga, não nos tira dignidade, não quer dizer dar o braço a torcer, não quer dizer parecer fraco, nem sequer quer dizer esquecer.

 

Deixem-se de tretas. É só bondade. Só isso. E nós precisamos tanto de bondade.

 

R.

08
Mai19

Um marido, uma filha e uma casa

quatro de treta e um bebé

E não é que uma pessoa agora é que dá valor à “mamã” que fazia tudo e tudo (e ainda reclamávamos)?
Pois é. A vida de casa é ligeiramente diferente. Diga-se: totalmente. Antes chegava a casa, descalçava-me enquanto percorria o caminho para o sofá, às vezes adormecia até ao jantar e acordava já a mesa estava posta e o jantar na mesa, enquanto soava ao fundo uma voz doce e terna: “está pronto, come, pelo menos, alguma coisa”.
Agora é parecido. Chego a casa, carregada com a filha ao colo, depois de ter ido às compras, entro, arrumo tudo, ponho a miúda a ver a milagrosa BabyTv durante uns minutos, o papá prepara a água do banho, eu dou um jeitinho a tudo, ponho o pijama, chego-lhe creme, visto -a, ponho a sopa a aquecer, sento-a na cadeira, dou-lhe a sopa, entretanto o T. já vai fazendo o jantar. Eu continuo no “mais uma colher”, depois vem a hora do mimo. Encosta, rebola, brinca, puxa cabelo e adormece. Jantar pronto, mesa posta. Vamos jantar. Jantamos. Benedita acorda, abre a pestana, quer brincar, lá vamos nós dar o litro mais um bocadinho (porque o dia de trabalho até foi brando - mentira!). 21h30. Fazer o leite, mudar a fralda, deitar a Benedita, dar-lhe o leite, e por fim... a magia acontece: ela adormece e só acorda de manhã.
Na maioria das vezes, adormeço com ela! Outras, ainda venho para o sofá com o T. acompanhar os 1001 programas de futebol e receber mimo. Outras venho escrever para vocês que desesperam por um post (riso).
Posto isto, e contas feitas: apesar do descrito, não há coisa melhor do que a nossa família e o amor que nela se vê crescer de dia para dia.
É tão bom. É tão nosso.
Beijinhos,
S.

02
Mai19

O amor e a fotografia.

quatro de treta e um bebé

A fotografia sempre assumiu um lugar importante na vida das pessoas.

 

Se recorrermos aos nossos primórdios, facilmente percebemos que a fotografia está presente desde sempre. Não da forma que a conhecemos agora, é certo. Mas estava lá. Recorde-se, a título de exemplo, as pinturas rupestres, que nada mais são do que “fotografias” dos momentos vividos na época e que os nossos antepassados perpetuaram no tempo. É graças a elas, que hoje temos uma vaga ideia do que faziam na altura. Excelentes caçadores, quiseram fazer-nos crer, mas péssimos "fotógrafos", conseguimos concluir.

 

Antes, como agora, preocupámo-nos em registar aquilo que entendemos como importante, o que queremos que fique para o futuro. Há uns dias, um amigo escrevia na sua página do facebook, que "um dia seremos apenas o retrato na estante de alguém". Querem prova maior da importância da fotografia? 

Hoje diz-se que a fotografia se tornou vulgar. Efetivamente, constatamos com alguma frequência que as pessoas se preocupam mais em captar os momentos do que em vivê-los. Todavia, entendo que isso não retira a importância da fotografia. Eu diria antes que a fotografia se tornou mais fácil. Mas não menos importante.

 

Fotografar é uma arte. E como todas as artes exige que haja amor. Não há arte sem amor. Pode haver qualquer coisa. Qualquer tentativa. Rasca. Banal. Sem jeito. Assim, fotografar exige amor. À fotografia, ou ao que se fotográfa. E só isso nos faz explorar. No verdadeiro sentido da palavra.

 

Recentemente, estive de férias em Barcelona. Poderia partilhar convosco as fotos, para que percebessem melhor o meu devaneio acerca deste tema, mas não vos vou expor a isso. Nem a vocês, nem a mim. Adianto apenas que não se aproveita uma. Ponderei sobre os porquês (afinal, a modelo é top) e conclui que não podes ir de férias com qualquer pessoa e esperar que tire fotos para colocar na estante, sem que alguém visite a casa e não se ria (como fazemos na casa dos amigos quando vemos aquelas fotos de criança). Já pensaram porquê que a imagem de todos os reis é feia, mas a imagem de jesus cristo é bonita?

 

A partir de agora só viajo com pessoas que cumpram, pelo menos, um desses dois requisitos: ou amam a fotografia ou amam a minha pessoa. Com preferência, a primeira hipótese. Já que segunda pode facilmente induzi-los em erros, e acharem que está sempre tudo bem. Afinal... o amor, por vezes, faz ver tudo bonito. 

 

Felizmente a minha próxima viagem é com a Catarina, uma grande amiga minha. Que ama a fotografia... e também me ama a mim. De certeza!

 

M.

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D