Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

10
Fev20

Serviço Público - com a participação especial de Paola Solarevicz

quatro de treta e um bebé

Um agradecimento especial às pessoas com mau gosto. Sem elas este artigo não teria sido possível.

 

Há uns tempos, escrevia-vos sobre aquelas coisas que me impediam de apaixonar por um homem, por mais lindo que ele fosse. Falava-vos da altura, da voz, da data de nascimento e até da bagagem. Por mero lapso, não referi o mau gosto. Mas hoje escrevo-vos para corrigir esse lapso, e fazer “serviço público”. Porque entendo que ao contrário da altura, da voz, da data de nascimento ou da bagagem, o mau gosto pode moldar-se, corrigir-se, educar-se. Ou pelo menos quero acreditar que sim.  

 

Numa “conversa de café” com a Paola Solarevicz, uma verdadeira entendida no tema, falávamos do mau gosto. Do mau gosto em geral, embora nos focássemos, essencialmente, no mau gosto dos homens. Da falta de noção ou de espelho. Falávamos da surpresa, do impacto, do bater de frente com alguém com mau gosto e da sensação de “facada no peito” quando nos cruzamos com homem que tem tanto de bonito como de mau gosto.

Dizia-me ela que adorava homens com bom gosto, que se sabem vestir e, mais ainda, sabem adaptar o que vestir à ocasião. Por sua vez, quando se cruzava com homens vestidos como autênticas “árvores de natal” não consegue evitar o beicinho a tremer, a pupila a dilatar e a lágrima a espreitar no canto do olho, pronta para verter, de tamanha desilusão com o mundo.

Poluição visual. Dizia ela que se tratava de uma poluição visual. E devia ser crime, da mesma forma que a poluição ambiental o é.

Assim, e de forma a contribuir para um mundo melhor, deixo-vos infra as dicas de Paola Solarevicz, sobre o que não vestir, nem em casa.

 

Manga cava preta, com calças de ganga e sapatilhas básicas.

Acrescento que manga cava só por si, nunca! Não é para usar, em situação nenhuma, com coisa nenhuma. Nem com calças de ganga, nem com outra coisa qualquer. Nem na rua, no passeio de domingo a tarde, ou no ginásio. Exceciona-se a utilização para prática de modalidades desportivas como o basquetebol ou o voleibol de praia. Mas como referido, apenas e só nessas duas modalidades.

Roupas justas

Jamais! A não ser que vá participar numa prova de danças de salão ou salto em trampolim, é fugir das roupas justas a sete pés. Cruzar-nos com um homem que decidiu sair de casa com a roupa do filho mais novo, não é de todo atrativo.

Calças “tomara que caia”

Tipo os tops das mulheres, mas numa versão masculina. Traduz-se naquela peça de roupa, que deveria estar na cintura, mas que, por se ter comprado o número acima, estão constantemente a ameaçar cair. A mais recente versão deste modelo, implica que as mesmas sejam justas em baixo, imaginamos nós que seja para que, caso caiam, não fiquem pelo caminho.

Camisa aberta até ao umbigo

Ou até um pouco mais acima. Se não aperta mais, não é porque não é para apertar, é porque o tamanho não era esse. A situação piora se tiverem o fio no pescoço.

Fatos não cintados

Aquela máxima de que um homem compra um fato uma vez e depois usa o mesmo fato para sempre, porque os fatos são todos iguais e nas fotografias de casamento não se vai notar já não se aplica. Os anos passaram, os fatos mudaram, os cortes também. Usar umas calças de fato largas em baixo? Não. Deitem fora.

 

Nas palavras sábias de Paola Solarevicz, “quando os olhos não sabem para onde olhar, significa que tudo está mal ali”. A mesma, refere ainda que “não há mal nenhum em evidenciar o corpo, desde que o mau gosto não se evidencie primeiro”. Dito isto, é um facto: a elegância conquista. E a falta dela também…

 

M.

 

06
Jan20

Resoluções de Ano Novo.

quatro de treta e um bebé

Na viragem do ano que agora terminou, dizia-vos eu que adorava resoluções de ano novo. E que apesar de não acreditar verdadeiramente nelas, nunca deixava passar as doze badaladas sem a companhia das uvas passas e o respetivo desejo.

Odeio uvas passas e não sou fã de champanhe (!), mas todos os anos, no dia 31 de dezembro, preparo, sem exceção, as 12 uvas passas (que envolve a árdua tarefa de encontrar as doze uvas mais pequenas para que o sacrifício seja também ele mais pequeno ou, pelo menos, mais fácil de superar) e à meia noite estendo a mão ao champanhe. Cumpro religiosamente o que manda a tradição. Peço um desejo por cada uva passa e brindo ao novo ano, ao que aí vem. Brindo ao ano que passou e fecho o tal ciclo.

Assim que terminam as doze baladas termina também o ritual. Nunca mais penso nos desejos! E no final do novo ano que acabou de chegar recomeço tudo de novo. Literalmente.

Não penso nos desejos que fiz no ano anterior. Não faço um balanço do que pedi ou daquilo a que me comprometi. O mais certo é nem saber o que pedi no ano anterior.

Não sei se o drama dos 30 (e um, já sei) chega a este ponto, mas este ano foi diferente. Dias antes do final do ano, do nada, dei por mim a pensar nas minhas resoluções para o ano 2019. Lembro-me (e desta vez tão bem) que todas tinham algo em comum: mudança. Mudança radical. De vida, de cidade, de emprego, de amor. Mudar tudo. Não que tudo estivesse mal, não estava, mas porque a minha vida precisava de ser agitada e nada melhor que a mudança (radical) para isso.

Recordo-me, ainda, de ter pensado que mudar tudo era muita coisa e que talvez não fosse possível num só ano. Priorizar era difícil, queria todas da mesma forma. Talvez porque queria que todas estivessem interligadas.

Sem que disso me tivesse apercebido, durante o ano de 2019 ocorreram essas mudanças. Talvez como nos anos anteriores, aqueles em que não fiz balanço. Não da forma que as imaginei, não com a tal agitação que previ. Mas chego ao fim do ano com tanto. Com mais do que desejei à meia noite do dia 1 de janeiro de 2019. E estou tão grata por isso. Contudo, a vida andou, rodou, mudou e eu… eu nem dei por isso. E continuo a querer mais e mais e mais.

No dia 31 de dezembro, voltei a pedir 12 desejos. Voltaram a ter a mudança no centro. Algumas vinham do ano anterior, porque a mudança não foi suficiente, outras são novas, porque os anos passam, a coisas mudam, mas continuo inconformada.

Feliz 2020.

M.

 

Ps.: Ainda não foi este ano que fui a NY. 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D