Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

10
Out19

Direito de Resposta de Hezalel ao texto "O meu anjo da guarda abandonou-me!"

quatro de treta e um bebé

"Tem direito de resposta nas publicações periódicas qualquer pessoa singular ou coletiva, organização, serviço ou organismo público, bem como o titular de qualquer órgão ou responsável por estabelecimento público, que tiver sido objeto de referências, ainda que indiretas, que possam afetar a sua reputação e boa fama", art. 24.º, n.º 1 da Lei da Imprensa (Lei 2/99, de 13 de janeiro).

Era desta forma que começava a carta que me foi dirigida, e que infra transcrevo, enviada pelo meu querido anjo da guarda, exigindo a publicação da mesma neste blog, que até então tinha algum nível nos artigos publicados. 

Li e reli o artigo supra citado. Acho que conseguia arranjar justificação plausível para não o fazer. Desde logo, e sem entrar nos pormenores da reputação ou boa fama, o meu anjo da guarda não se trata de uma pessoa, organização, serviço ou organismo público, nem me parece ser titular de qualquer órgão ou responsável por estabelecimento público. No máximo será responsável por mim, função que desempenha, digamos, com algum desdém! Mas enfim! Revirando os olhos, enquanto encolho os ombros,  e sob protesto, decidi ceder ao seu "pedido" e acreditar que, desta forma, a partir de hoje, as coisas mudam e as paz prevalece entre nós. Torçamos por isso. Que esta exposição pública não seja em vão. Ou que, pelo menos, me permita pedir uma indemnização...por danos morais.

"Queridos leitores, 

Ao contrário do que foi aqui publicado, a 16 de agosto de 2019, durante estes quase 31 anos (sim, Ela diz 30, mas são quase 31) sempre exerci as minhas funções com total empenho e dedicação. Efetivamente estou cansado, (afinal quem é que trabalha 31 anos, sem paragens, e não se cansa? Nem os anjos!) mas nunca o meu cansaço foi sinónimo de desleixo. 

Dou por mim, por vezes, a tentar perceber que mal terei feito numa outra vida, para que me tivesse calhado Esta pessoa na rifa. Quando levanto esta questão em grupo, é-me respondido, cada vez com menos convicção, que os grandes desafios são entregues apenas àqueles com capacidades para os superar. Cliché! Mas ainda assim, acreditando que merecia melhor, aceitei o desafio e em momento algum me desligo da Pessoa ingrata de quem sou o anjo da guarda. Se bem que mesmo que tentasse, acho que a campainha do perigo tocava. 

Durante estes 31 anos, e por mais difícil que seja, nunca A abandonei. Recordo-me, por exemplo, de quando concorreu à faculdade. Andava numa época em que só via séries criminais, e no momento da candidatura, deixou Direito e Coimbra em 2.º opção e concorreu para Ciências Criminais, no Porto. Acham que foi fácil, retirar-lhe uma décima da média para que não entrasse em Ciências Criminais? Mesmo assim, teimosa, entrou em Direito a pensar na especialização em Penal. Especializou-se em Imobiliário e nunca, ao longo destes anos, trabalhou em Penal por opção. 

E a paixão platónica pelo rapaz mais feio que alguma vez viram? Foi duro, desgastante e obrigou-me a trabalhar em conjunto com o anjo da guarda do tal rapaz, para lhe encontrarmos uma namorada e dessa forma esperar que Ela não se atrevesse a chegar perto. Para que tenham alguma noção, o meu colega ainda hoje se emociona quando relembrar o momento em que finalmente encontramos a tal namorada, e diz, entre lágrimas, que nunca conseguirá retribuir essa ajuda.

A lista é extensa e infinita. E ainda agora, enquanto vos escrevo, Ela está a tentar desviar-se do percurso. Contudo, contra tudo e contra todos (ou talvez só contra ela própria), continuo cá, firme e forte. Com 1,80 e corpo musculado. E totalmente disponível caso algum de vocês, caro leitores, pretender me contratar.

Tenho experiência nas mais variadas áreas, podem acreditar. E sucesso em tudo onde meti a mão. Basta olhar para Ela. Sou trabalhador e não desisto. Se não desisti dela, acreditem, não desistirei de vocês.

Hezalel, o verdadeiro Anjo da Guarda."

M.

29
Nov18

Arouca e os Passadiços do Paiva

quatro de treta e um bebé

Passadiços do Paiva - Arouca  Natureza em Estado

Fonte: http://www.passadicosdopaiva.pt/

Arouca era uma vila pacata, no fim do mundo (na verdade é na cave do mundo), reduzida a uma rua a que chamam de avenida (não sei se chamam, mas quase que aposto!) e a um mosteiro. À volta disso é monte. E monte. E mais monte. Por lá, e depois de passar o enjoo da viagem (o qual não se consegue evitar com tanta curva e contracurva) conseguia-se comer uma das melhores carnes de vaca e saborear vários doces conventuais de deixar água na boca. Até que um dia, alguém astuto, decidiu alargar horizontes e criar um passadiço, que liga 3 praias fluviais ao longo do Rio Paiva, a que se deu o nome de "Passadiços do Paiva". E descobriu a galinha dos ovos de ouro.

 

Se valia a pena ir a Arouca pela carne e pelos doces, agora vale também pelos passadiços. E se der para juntar tudo, tanto melhor.

 

Aconselho, seriamente, a passar um dia lá. Chegar cedo. Fazer os 8 quilómetros do Passadiço. Ir almoçar a famosa carne de vaca arouquesa. Regressar aos passadiços. Fazer os 8 quilómetros em sentido contrário, para desgastar o almoço. E terminar o dia com o pão de ló de Arouca, os charutos ou as castanhas doces.

 

Fiz os "Passadiços do Paiva" há já alguns anos, mas continua a ser um destino atual. A ideia passava por um domingo diferente, entre amigos, com fotos, mergulhos e boa comida. Mas Arouca e os passadiços surpreenderam.

Partimos do Porto num domingo de manhã. O objetivo era estar em Arouca às 9h30, evitando assim a hora de maior calor. Levamos dois carros, para que fosse possível deixar um em cada ponta dos passadiços, podendo fazer o regresso ao ponto de partida de carro.

 

Como bons portugueses que somos chegamos a Arouca por volta as 11h.

 

Nota: Aconselho a chegar realmente cedo, porque fazer o percurso na hora de maior calor pode tornar-se insuportável, não permitindo usufruir verdadeiramente de tudo que os Passadiços tem para nos dar.

G0012352.JPG

Começamos o percurso na praia fluvial de Espiunca. As paisagens são fenomenais. Por esse motivo, demoramos cerca de uma hora a fazer menos de 3 km (a indicação dos km está ao longo de todo o percurso). Temos fotos de tudo, de cada esquina, de cada paisagem que nos cativou (e cativaram-nos todas).

Alertados pelas horas, e pelo calor que se fazia sentir, aceleramos passo até à Praia Fluvial do Vau.

Chegamos à ponte suspensa. E para esquecer as vertigens é colocar-nos no centro dela desfrutando da paisagem que nos permite contemplar.

G0182530.JPG

Ao longo do percurso podemos ver a Cascata das Aguieiras e a Garganta do Paiva. Subimos as escadas que ainda hoje não consigo qualificar.

Por fim, chegamos à Praia Fluvial de Areinho.

G0292629.JPG

Depois de um mergulho que "soube por vidas", seguimos caminho para o restaurante. Fomos à famosa carne arouquesa, que, uma vez mais, não desiludiu.

 

Nota: Não há fotos de comida, não consigo, é mais forte do que eu começar logo a comer. 

 

Após um almoço de domingo demorado, voltamos aos passadiços. Exatamente ao mesmo ponto onde tínhamos ficado.Mais uma vez como bons portugueses que somos, desfrutamos uma cesta e demos mais uns mergulhos na Praia Fluvial de Areinho.

Não estava nos planos fazer o percurso de volta a pé. Mas à ultima hora decidimos que assim seria. Fizemos o caminho de volta já com o pôr do sol. E se o percurso com plena luz do sol é lindo, com o pôr do sol ganha ainda mais beleza.

Atualmente, trabalham na construção de uma outra ponte suspensa - envidraçada. Voltarei, com toda a certeza, assim que a ponte estiver aberta ao publico.

M.

 

P.S. Para quem estiver a pensar fazer o percurso, relembro que hoje é necessário fazer reserva, e tem um custo de 1€/pessoa.

06
Set18

Como conhecer pessoas novas quando temos mais de 25 anos

quatro de treta e um bebé

Tenho 26 anos (quase 27), uma relação estável, várias amizades de longos anos.

Não sou propriamente uma pessoa que tenha dificuldade em falar com pessoas, as más-línguas chamar-me-iam até tagarela, apesar de paradoxalmente ter bastante dificuldade em aproximar-me e baixar defesas.

 

Numa conversa recente, falava sobre a dificuldade de conhecer pessoas novas.

Não tenho qualquer interesse romântico em conhecer alguém. Contudo, tanto eu como o meu namorado já passamos, recentemente, por aqueles momentos em que olhamos à volta e pensamos “para onde foram todas aquelas pessoas que se chamavam amigos?!”.

Costumava ser tudo tão mais fácil quando alguém se encarregava de traçar o plano para a nossa vida… Ainda bebés, os nossos pais marcavam encontros com outros bebés. Já crianças, faziam o mesmo, mas já não achávamos tanta piada. Ainda assim, em creches, jardins-de-infância, escolas, sabíamos que tínhamos de passar aquelas horas juntos, no mesmo sítio, por isso lá acabávamos por ficar a conhecer bem aquelas pessoas. Na universidade, mais fácil ainda! Era só entrar pela universidade e lá estavam aquelas pessoas que costumávamos encontrar, um aceno ali, um abraço acolá, duas de treta aqui, e de repente parecíamos verdadeiros animais sociais.

Depois crescemos (pelo menos na teoria, não é M.?!). Temos menos tempo, menos paciência, mais obrigações.

No escritório, as pessoas do costume. No fim-de-semana, as pessoas do costume. No pouco tempo que sobra, queremos estar com aquelas pessoas, o namorado, a família, aqueles amigos que conhecemos tão bem e com quem finalmente conseguimos marcar um café.

 

Vamos lá pensar, quem foram as últimas pessoas com quem fizeram amizade?

Quanto a mim, recentemente, conheci pessoas na Ordem (Olá, meninas!) e no mestrado, mas isso já acabou. E agora?...

 

E reparem que tratando-se de conhecer parceiros românticos, o bicho-de-sete-cabeças multiplica-se.

Se fosse a referendo, éramos capazes de implementar o casamento arranjado, cem por cento de eficácia e zero por cento de preocupações em encontrar alguém, uffa! Reparem no sucesso de programas para conhecer pessoas (de novo, a maior parte parceiros românticos), The BachelorMarried At First Sight (que aparentemente vai chegar a Portugal), Next, Naked Attraction.

 

E a pergunta do milhão de euros é: Como conhecer novas pessoas?

A nossa geração responde logo Tinder! Para os mais desatentos, o Tinder é uma aplicação de encontros românticos, em que se “aprova” uma pessoa pela sua fotografia e, caso haja “aprovação” mútua, se inicia uma conversa. Problema? Além do problema óbvio se destinar apenas a interesses românticos (“mmm, com base nesta foto, acho que esta pessoa vai ser uma excelente companhia para aquela peça de teatro!”), não há como contornar o interesse sexual subjacente. Apesar de histórias de sucesso, de boa gente que se apaixonou e que têm uma relação estável com alguém que conheceram por esta via, deduzo que a esmagadora maioria consubstancia (apenas) uma noite de sucesso. Um Tinder para casais que procuram casais amigos, isso existe?! Nem vou falar do quão aborrecido é ter que explicar que sim, um homem e uma mulher podem, efetivamente, ser amigos, sem a parte do coloridos!

Já ouvi falar de aplicações para marcar jantares com desconhecidos, o que me parece uma ideia genial, como a Foodfriends, mas a verdade é que nunca a experimentei, nem sei como a usar, por isso, não sei se funciona!

Formações ou workshops? Problema, a maioria são pagas.

Saindo à noite? Certo, já conheci muito boa gente dessa forma. Claro que depois há o problema de ter que explicar que estamos na noite à procura de amigos, e, sei lá porquê, a maior parte das pessoas perde o interesse! Acresce que parece que a maior parte das pessoas da nossa idade acham que já passou o tempo de sair à noite, parece que deixou de fazer tanto sentido (certo, F.?! A M. sabe que ainda faz sentido, ainda que o corpo não aguente a mesma frequência!).

Amigos de amigos, sempre uma forte hipótese. Há o senão da pressão de tornar as coisas estranhas, quando eventualmente discutirmos, mas é uma das melhores opções para casos não românticos (ou românticos!).

Coloco um anúncio? Redes sociais (“olá, acho-te muito gira, queres trocar números?”)?

IMG_20180809_164200_812.jpg

Grupos de atividades! Aquele grupo de caminhadas, isso pode parecer interessante. Mas aí estou a criar amizade com uma pessoa que assumidamente gosta de caminhar (credo!).

Ginásio, desporto? Tem de haver uma maneira menos… suada!

Fiz o impensável, recorri ao Google! Claramente, não sou a única com esta interrogação! Desde artigos sobre se “é possível fazer amigos depois de certa idade” até “como encontrar o amor na vida adulta”, encontramos dicas que tornam tudo tão mais óbvio, como “sê sincera”! Ah, afinal é esse o truque... 

google.png

Novas opções e ideias vão surgindo, afinal, de tudo nasce um negócio! Aparentemente, tal como a aplicação que referi acima, existem já páginas e plataformas pensadas para este problema! A plataforma Portuguese Table permite a inscrição de anfitriões que se propõem a cozinhar e a receber um grupo de pessoas, estabelecendo o preço e menu das mesmas. Já a plataforma TastePlease permite a inscrição quer como anfitrião, quer como convidado, e ainda a organização de jantares de grupo com desconhecidos em restaurantes, como uma verdadeira rede social para jantares.

Outro conceito engraçado é o das mesas comunitárias, ou mesas comuns, que vemos surgir em vários restaurantes, como o Brick Clérigos: uma única mesa com vários lugares. Não há “mesa para um”, nem se escolhe quem é a pessoa que se vai sentar ao nosso lado. Diz-se que este conceito convida ao convívio, mais não seja pela vontade de provar aquele prato ou dividir aquela tábua. Ainda não experimentei, mas estou aberta a convites, fica a dica!

(por esta altura já devem ter percebido a ligeira obsessão pela comida 🙊)

 

Há quem o faça parecer fácil (“Have you met Ted?”). 

 

Mas a verdade é que, a partir de uma certa idade, fazer novas amizades parece mais difícil. Será que nos tornamos mais exigentes? Menos crédulos? É porque já nos magoaram demasiadas vezes? É porque nos fazem crer que já temos de ter tudo decidido? Dizia-me essa amiga que sentia que já tinha feito os amigos que tinha de fazer. Como se tivesse fechado a “época de transferências”, plantel fechado. Não acredito que funcione assim. Quero conhecer novas pessoas, que tragam algo de novo à minha vida, que me ofereçam uma perspectiva nova, que estimulem estes velhos neurónios.

 

Como? Ainda estou a investigar essa parte…

 

Há sugestões por aí?

 

R. 

30
Ago18

Warner Bros. Studio Tour London - Harry Potter

quatro de treta e um bebé

Olá pessoas!

 

Hoje, venho falar-vos de uma das minhas (muitas) paixões. Tal como a M., há em mim, também a caminho dos 30, uma criança/adolescente que não me parece crescer.  

IMG_4195.JPG

O Harry Potter fez 21 anos e eu podia dizer que o acompanho desde o início, mas estaria a mentir.  Lembro-me de andar na escola e ter colegas a ler os livros. Lembro-me de quando saíram os filmes e de ver o primeiro. Lembro-me de ter ido ao cinema ver o Harry Potter e o cálice de fogo, mas ficamos por aí. Não me fascinava na altura, não entendia toda a curiosidade e sururu à volta dos filmes. Os livros, nem li, na época.

Já andava eu na faculdade, em 2011, quando sai o último filme do Harry Potter, decido ver os filmes todos de enfiada e, claro, apaixonei-me. Adorei todo aquele mundo, só queria, também eu, receber uma carta de Hogwarts, saber fazer magias, enfim, tudo aquilo que eu devia ter vivido quando andava no básico estava a viver com 20 anos.

A partir de então, fiquei sempre com o bichinho do Harry Potter e em 2016 pedi à minha amiga Cat (com quem já tinha partilhado o gosto pelos filmes) para me emprestar os livros, porque queria lê-los. Todos, ler os 7 livros de uma vez! (sabia que já pouco me lembrava dos filmes, e ler os livros seria especial) E pronto, os 7 livros foram lá para casa e, voltei a apaixonar-me, mais e mais, a cada livro que ia lendo. Porque aqueles livros são especiais, são tão bem escritos, com histórias tão bem pensadas, só dá vontade de ficar o dia inteiro a ler. E foi a meio da minha leitura dos livros do Harry Potter que, o ano passado, eu e três amigas, decidimos que este ano iríamos a Londres. E o que é que há em Londres? Isso mesmo, os estúdios do Harry Potter (eu sei que vocês não pensaram imediatamente nisto quando eu falei em Londres ahah). E como é que eu podia deixar passar a oportunidade de lá ir? Não podia. Por isso, no primeiro dia em Londres, rumámos aos tão famosos estúdios e a todo este mundo de magia.

Em primeiro lugar, como chegar aos Estudios? Pois bem, começámos por apanhar o metro para Euston (nós estávamos em Earl’s Court, pelo que apanhámos o metro de lá, mas é só apanhar o metro do sítio onde estiverem e pararem na estação Euston). Em Euston apanhámos o comboio rápido em direcção a Watford Junction, o que demorou mais ou menos 35 minutos (todas estas viagens, de metro e de comboio, nós pagamos com o Oyster – cartão pré-pago para viajar nos transportes públicos - saibam mais aqui). Em Watford Junction apanhámos o autocarro especial para o Parque do Harry Potter.

IMG_5027.JPG

O bilhete para este autocarro custou-nos 2,5£.

Aconselho-vos a comprar os bilhetes para o Parque antes de irem para Londres. Comprem no site e uma vez que é necessário marcar hora para a visita, façam as contas e marquem uma hora que seja confortável para vocês, já contando com os transportes até lá. Nós marcámos para as 16h. O preço do bilhete foi de 41£, o que dá aproximadamente 48€. Também não se esqueçam de alocar tempo suficiente para a visita, nós entramos pouco depois das 15 e só saímos já passava das 20h.

Logo quando chegamos, vamos à bilheteira trocar os bilhetes online por uns maravilhosos passaportes (que nós pensávamos que íamos ter que pedinchar, pois o que tínhamos lido em diversos blogs é que só ofereciam os passaportes às crianças!) e temos logo as peças de xadrez e várias capas de jornais na entrada exterior.

Entrámos nos Estudios propriamente ditos e começamos logo a ver placards dos filmes, fotos e somos levados por um corredor com frases de diversas personagens...

 

...Até chegarmos ao átrio principal onde se encontra um grande cálice de fogo e a loja dos estúdios.

(créditos destas duas fotos: https://www.instagram.com/susanacplima/)

 

Como ainda faltavam alguns minutos para as 16h, decidimos ir à loja, com calma, para ver tudo o que havia para ver e para comprar, assim, no fim da visita seria mais fácil saber o que queríamos. A loja é o mundo e eu tive pena que não me tivesse saído o euromilhões para poder trazer metade do que lá havia! As coisas são um bocadinho caras, pelo que, convém irem com essa ideia e se quiserem, dêem uma olhadela pela loja online, que já ficam com algumas ideias do que podem encontrar por lá e os preços.

Finalmente à hora marcada lá entramos para a nossa visita e não podia ser mais gira e mais mágica!

Primeiro somos recebidas numa sala escura, com vários monitores com as capas dos filmes de diversos países ao redor do mundo. Passamos para uma sala "género cinema" onde vemos um pequeno filme e eis que a visita pelos recantos de Hogwarts está prestes a começar… 

Curiosidade: Antes de abrirem a porta que dá acesso aos estúdios propriamente ditos, o funcionário que nos acompanha pergunta se alguém faz anos naquele dia! Se sim, dão a oportunidade ao aniversariante de ser ele a abrir a, majestosa, porta.

Et voilá, estamos na sala de jantar de Hogwarts.

Curiosidade nº 2: Na sala de jantar, encontra-se o cálice de fogo e é, quase como que, reencenada a cena do filme, em que o cálice cospe o nome do Harry Potter cá para fora! E imaginem, nós trouxemos o papelinho ‘queimado’ com o nome dele, tal como no filme!

Mas bem, não me querendo alongar demais, deixo-vos mais algumas fotos que fui tirando! Não esquecer que dentro dos estúdios podem provar a cerveja de manteiga que eles tanto bebem, podem entrar dentro do carro voador, podem simular um voo de vassoura e podem até chamar a vassoura para a vossa mão! “Up” e ela vai direitinha à nossa mão.Por lá encontramos o gabinete do Dumbledore, as roupas que foram usadas nos filmes, os retratos (o da dama gorda por exemplo), a sala da aula de poções, o quarto dos rapazes, a sala comum dos Gryffindor, o gabinete da Umbridge, a floresta proibida (onde se encontram as aranhas, em especial a Aragog, o Buckbeak) etc. Mas não pensem que os cenários são todos estáticos ou que a única coisa interactiva é o momento de conseguir fazer voar a vassoura, não, também temos a casa dos Weasel, onde muitas coisas acontecem; na floresta proibida temos todos aqueles sons estranhos, temos fumo... temos um bocadinho do que é estar em Hogwarts, do que é estar no mundo do Harry Potter...e que fã da saga não quereria vivenciar um bocadinho de toda aquela magia? 

 

Para quem gosta do Harry Potter é uma visita a não perder. Compensa o dinheiro pago pelo bilhete. Em certos momentos parece que estamos mesmo dentro do filme. Foi uma tarde muito bem passada e onde fui muito feliz.

 

 A viagem a Londres merece um post, daqui a uns tempos, com dicas, sítios onde ir, preços, fotos e toda a minha experiência por lá. Em breve, por aqui…até lá digam-nos se já foram aos Estúdios e se gostaram tanto como eu!

 

QSPK5763.jpg

crédito desta foto: https://www.instagram.com/susanacplima/

 

F.

14
Ago18

As tias da B.

quatro de treta e um bebé

São muitas, mais que muitas.
Umas "de gema" outras emprestadas ... mas todas igualmente queridas para nós e para a nossa B.
Mas há mais!! Há aquelas especiais que vos quero dar a conhecer.

Afáveis, brincalhonas, carinhosas, espevitadas, malandras, cheias de energia. As mais queridas.
São duas. Uma mais crescida que outra. Uma mais arisca que outra. E ambas um amor.
Têm 4 e 1 ano e 9 meses.
São minhas irmãs e, por isso, tias da B.
São lindas e uma perdição.
Por agora, derreto-me a vê -las juntas.
Quando estamos juntas não paro de registar o momento.

WhatsApp Image 2018-08-14 at 15.28.29.jpeg

A mais velha já dá colinho sozinha. Cobre-a, aconchegando-a (quase sufocando). Dá-lhe mimo, acalma- a dizendo "ponto, ponto, está aqui a Tia". Explica-lhe que ela não pode ir ao parque porque é pequenina. Esconde-lhe as coisas perigosas com medo que se magoe. Tão pequenina e tão protectora.

WhatsApp Image 2018-08-14 at 14.32.54.jpeg

A mais novinha esfrega-lhe as mãos todas na cara, quer dar beijinhos, abraços e fala imenso com ela. Grita "bebé, bebé" e não a deixa sossegada. Quer brincar com ela e espevitá-la. 

Não há coração que aguente este quadro tão bonito de tias e sobrinha que conta apenas com 1mês.
Estou certa de que tias e sobrinhas brincarão ainda muito. E sairão ainda mais (para meu desassossego).
Ao contrário de todos, o "só sais se fores com as tuas tias" não me trará o sossego que se impunha.
E acrescentarei, "liga ao vovô primeiro, para saber se as tias também vão a essa festa".

WhatsApp Image 2018-08-14 at 15.26.56.jpeg

Falta-me dar nota que nesta família moderna, ainda há uma avó de 33 anos. 

E um cunhado (pai da B.) que dá colo às cunhadas e as leva à praia, brinca com elas, leva-as ao parque, dá-lhes gomas e "pernas de pau".

WhatsApp Image 2018-08-14 at 14.46.36.jpeg

 

É assim que por cá o coração anda: preenchido e de sorriso permanente.

A seu tempo dar-vos-ei a conhecer a outra tia e madrinha da B., minha irmã de sangue. Essa mais crescida e mais velha que eu.

Está do outro lado do mundo mas perto porque quem manda é o coração.

 

S.

 

02
Ago18

O início de algo incrível

quatro de treta e um bebé

IMG_20180802_111206.png

Quarto post e ainda estamos a falar sobre o início?


Pois é, mas não faria sentido para mim prosseguir sem levantar um pouco o véu sobre como surgiu este blog, deixando antever quem somos, enquanto pessoas e enquanto grupo.
 
Começando, sobre nós: somos quatro Mulheres (e uma bebé) de personalidade forte, quatro Advogadas, em quatro pontos de Portugal, com personalidades completamente distintas, unidas desde 2013. A F. é a organizada; tem quadros e tabelas para quase tudo, adora viajar, devora livros e séries, é uma sonhadora. A M. é a ambiciosa; disposta a lutar para alcançar os seus objetivos, arrisca, não desiste, adora uma boa festa, e ainda tem tempo para dar asas à sua criatividade. A S. é a mãe; é graças a ela que conhecemos hoje a B., é dedicada, preocupada, trabalhadora, não sabe como dar menos de cem por cento seja ao que (ou quem) for. Sobre mim? Essa parte vou deixar para as outras Mulheres!
 
Corria o ano de 2017 quando surgiu a ideia de criar um blog. Como? A verdade é que nem eu sei bem! Como quase qualquer grupo de Mulheres com um grupo de conversa, volta e meia pestanejo e fico com 500 mensagens por ler, o que inevitavelmente implica que alguns pormenores das conversas me escapam (muito poucos, juro!).
Sei que em julho de 2017, exatamente um ano antes da formalização da criação do blog, nasceu um grupo no whatsapp . A ideia já vinha sendo discutida, opiniões trocadas, concepções imaginadas. A ideia pairava no ar.
Nesta fase, já se tinha decidido pela criação do blog, e o ponto fulcral da discussão era o nome que lhe íamos atribuir, discussão essa que se prolongou por vários meses, e que passou por quase tudo, desde comida, a cores, bebidas, cafés, saladas de fruta, verde menta, sardinhas (nem imaginam os “ palavrões ” que já chamamos a esta ideia de blog)! Em paralelo, um sem fim de contemplações e cogitações sobre o nosso blog.
Até que um dia recebemos a feliz notícia de que o nosso grupo vai ganhar um quinto membro! E tudo muda.
De repente, já temos nome para o blog. De repente, já se começam a planear os primeiros posts. De repente, já o estamos a criar. E eis que o blog surge!
Na verdade, a história que eu tenho para contar é bastante curta. Como surgiu? Como se foi desenvolvendo? Quantos nomes chegaram a ser propostos? De quantos temas falámos? Com quantos posts fantasiámos? Sobre quantos pormenores divagámos? A verdade é que não vos sei dizer! Qual o rumo que o blog vai tomar? Quantos posts vai ter? Quantas visualizações vai alcançar? Até quando vai durar? Pois, também não vos sei dizer!
Talvez eu seja o membro com mais incertezas, sobre o blog, sobre o que escrever, sobre como o impulsionar, mas estas Mulheres não me deixariam ficar para trás, nem que eu quisesse.
 
Sei que o blog nasceu com a B.
Sei que as Mulheres que constituem este grupo são verdadeiras guerreiras, ambiciosas, lutadoras. Por mais irónico que pareça se pensarmos que o blog esteve em gestação durante um ano inteiro! Sim, as Mulheres que demoraram um ano a formalizar esta ideia, com muitas divagações pelo meio, são a razão pela qual eu vos posso garantir que isto , este blog, vai ser um sucesso.

 

R.

 

31
Jul18

Nenuco Real

quatro de treta e um bebé

WhatsApp Image 2018-07-27 at 20.44.22.jpeg

Desde cedo que todos enalteciam em mim o ar maternal.
Contam os "meus" que tratava os nenucos como se meus filhos fossem. Sentava-os à mesa, colocava-lhes babete, dava-lhes massa pelo único orifício que tinham, mudava-lhes a fralda. Quando tive varicela, eles também tiveram. Cuidei deles como cuidavam de mim.
Levava-os à praia, aplicava-lhes protector, não os expunha ao sol e levava-os ao mar, explicando-lhes que a bandeira estava amarela e que só poderiam molhar os pés!
Levava-os ao colo da minha mãe, dizendo "vai à avó"!
Passei pela gravidez colocando um balão debaixo dos meus vestidos.
Este era o meu mundo encantado...aquele que, apesar de embebido em fantasia, para mim, era o mais real de todos.
Adorava sentir que cuidava de alguém, que alguém dependia de mim, que alguém se confortava com o amor que lhes dava. Isso era ser mãe.
Já crescida, quando me perguntavam: e se te saísse o Euromilhões o que compravas? Eu respondia: nada. Era mãe de 4/5 filhos.
Hoje, tenho o NENUCO REAL.
A minha boneca preferida chegou, e é tão, tão bom. Melhor do que o que alguma vez projectei.
Ser mãe antes dos 30 era a minha meta. E aconteceu.
Hoje, com 29 anos, sinto que este ser tão pequenino chegou para dar sentido ao lado maternal que sempre esteve em mim tão evidente. Hoje com mais sentido. Hoje mais real. Hoje melhor.
A B. enche-me o coração e faz -me sentir outra pessoa. Mais completa, mais realizada e mais segura.

 

Bem-vinda B.

 

Com amor,

 

S.

31
Jul18

Bom dia e boas séries #1

quatro de treta e um bebé

Olá pessoas!

 

Aqui a viciada em séries não podia começar esta aventura sem que o primeiro post fosse um apanhado de algumas séries interessantes/não assim tão divertidas/talvez um bocadinho giras, mas que valem a pena ver este verão!

 

Ora bem, pelos meus cálculos (ou da app que tenho no telemóvel, sejamos sinceros) eu acompanho 104 séries, mais ou menos. Vá, não se passem já, dentro deste número estão aquelas que já acabaram ou foram canceladas ao longo dos anos e aquelas que eu ainda não comecei a ver mas quero muito ver (sim, está neste último grupo a Casa de Papel que ainda não vi mas está em lista de espera ou Narcos, que só vi um episódio, mas que sei que vou continuar). Apesar destas séries todas, não estejam a espera que vos sugira Game of Thrones, Breaking Bad, This Is Us ou outras séries em voga. Não vou sugerir porque, primeiro não vejo e depois, não tenho lá grande interesse em ver. Está bem que sou viciada em séries mas não vejo tudo e tenho  algum critério. O critério é o mais simples e básico de sempre, ser feliz. Ser feliz enquanto vejo uma série, é o mais importante. Gostar das personagens, importar-me com elas, querer saber mais sobre elas... O que me leva a outro problema, dificilmente, quando me apego a uma série sou capaz de a deixar. Aquela temporada até pode estar a ser um aborrecimento (enquanto as outras foram geniais, por exemplo), mas eu não a consigo deixar.. Faz-me confusão desistir das coisas e as séries não são excepção. Não, eu vejo a série até ao fim, quanto mais não seja para saber o que se vai passar com aquelas personagens, que já são um bocadinho minhas. (Sim, quando me cancelam uma série, só porque sim, sem a finalizarem, fico possessa!! Mas pronto, como calculam, logo outra vem e ocupa o seu lugar ahahah).

Continuando, hoje não vou falar de séries que adoro, e já acabaram, e que por já estarem completas, mereciam MUITO ser vistas, isso fica para outro post. Hoje vou só falar de séries que vejo nesta época, actualmente, e gosto muito.

 

 

Começo com o clássico, SUITS

 

Adoro de paixão esta série (ou não fosse eu advogada, claro que está, mas não é só isso). A série está muito bem feita, as personagens são geniais, prende-nos do início ao fim do episódio. A dinâmica Harvey and Mike, Harvey and Donna, Louis e qualquer outra personagem, é maravilhosa. No fim da sétima temporada o Mike e a Rachel saíram da série (como estão todos fartinhos de saber, não fosse ela a nova Duquesa de Sussex) mas começou ontem a oitava temporada e sei que vai ser óptima na mesma.

 

 

 

 QUEEN OF THE SOUTH

Comecei a ver esta série no ano passado e, em Junho deste ano estreou a sua 3ª temporada. É uma série baseada no livro homónimo de Arturo Pérez-Reverte e conta a história de Teresa Mendoza e todo o processo que ela e outras personagens seguem para derrubar o líder do trafico, que a obrigou a fugir para a América. É viciante esta série e muito bem feita. Com nomes como Alice Braga e Joaquim de Almeida. A não perder, mesmo.

 

 

 

 YOUNGER

É uma série de comédia-drama (eu, que não sou nada de comédias, adoro esta!) que acompanha Liza, uma mulher de 40 anos, divorciada, que tenta encontrar emprego na sua área, sem sucesso, devido à sua idade e ao facto de ter estado os últimos anos como dona de casa. Depois de ser elogiada por Josh, que lhe dá apenas 26 anos, ela decide fazer-se passar por alguém com pouco mais de 20 anos e assim conseguir o emprego de assistente editorial.

Cada episódio tem apenas 20 minutos, mas são super giros e divertidos. Conta já com 5 temporadas, cada uma com 12 episódios.

 

 

 

THE BOLD TYPE

Uma série que ainda só vai na segunda temporada, mas bastante promissora como série de verão. É leve, divertida, sem grandes dramas ou acontecimentos, mas entretém. Conta a história de três amigas que trabalham numa das mais importantes revistas de moda de Nova Iorque e o seu dia a dia para conseguirem realizar os seus sonhos, numa indústria que já de si é competitiva e põe qualquer pessoa à prova.

 

 

  

THE FOSTERS

Acabou este verão a série, os últimos três episódios foram ao ar no mês passado. Com 5 temporadas, é uma série que se pode dizer, familiar. Conta a vida de uma família americana pouco tradicional, composta por duas mães (Stef e Lina), o filho biológico de uma delas (Brandon) - a Stef e o ex-marido, seu colega de trabalho Mike -, dois gémeos latino-americanos adoptados (Mariana e Jesus), aos quais se juntam Callie e Jude, também dois irmãos, que serão por elas adoptados. Conta-nos os encontros e os desencontros da vida desta família e como com amor tudo se consegue.

 

 

 

THE ROYALS

Uma série um bocadinho maluquinha e pouco plausível, sobre uma realeza britânica nos tempos modernos.

 

 

 

IMPOSTERS

Esta é uma serie que, pelos vistos, acabou na sua segunda temporada. Eu ainda só vi a primeira, mas gostei muito. Conta-nos a história de uma “con artist” que casa com várias pessoas e foge com o dinheiro delas, até que estas se descobrem, juntam e decidem procura-la.

 

 

 

E, por hoje, ficamos por aqui.

Haverá posts sobre séries que vejo durante o ano, séries que já terminaram mas valem a pena ver, séries que estão no meu top de sempre, que são quase família. Mas haverá muito mais.

 

F.

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D