Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

18
Mar19

conversas despreocupadas

quatro de treta e um bebé

- Já ouviste falar daqueles novos programas de TV, de domingo à noite?

- Sim.

- Achas aquilo normal?

- Não tenho nada contra.

- Como não tens nada contra?

- Porque haveria de ter?

- Achas normal o que se está ali a fazer? A forma como as mulheres estão a ser expostas, humilhadas. O estereótipo que se defende. É chocante. Não percebo como é que nos dias de hoje isso é permitido. E percebo, menos ainda, como é que as mulheres não se revoltam contra isso. Enquanto mulher sinto-me humilhada, rebaixada. Andamos anos e anos a lutar por direitos, ainda agora assinalámos o 8 de Março, esforçamo-nos pela igualdade, e depois é isto. Permite-se isto. E ainda se chocam com os casos de violência doméstica. Com as mortes. Com as decisões do juiz. É isto que se fomenta com este tipo de programas.

- Não estou a perceber...

- Como não estás a perceber? O que se passa naqueles programas é inadmissível, as mulheres são expostas, como se numa montra estivessem, e os homens (ou as mães, o que ainda é pior), escolhem aquelas que melhor se adequam aos seus caprichos (ou dos filhos).

- Hum. Estou a ver... Essas mulheres foram obrigadas a estar lá ou estão por vontade própria?

- Não!!! Aquilo é um concurso. Candidataram-se. Mas a questão não é essa...

- Então estás a dizer-me que foi opção delas estar ali e sabiam para o que iam?

- Sim, mas...

- Mas não podem escolher se colocar numa montra porque socialmente isso não é aceite? Isso não faz muito sentido.

- Não é nada disso. Elas podem escolher ser o que quiserem. Mas já viste aquilo que se fomenta? Que os homens escolhem as mulheres com base na imagem, se sabem cozinhar, se tem filhos, se já foram casadas... No fundo é como se aquilo fosse uma entrevista de emprego. Fazem 50 mil perguntas, ridículas, como, por exemplo, se é virgem, mas o que tem eles a ver com isso? Agora uma mulher para ser ideal tem que ser imaculada, saber cozinhar, cuidar da casa, planear ter filhos? O que é isto??

- E a mulher tem que ser ideal?

- Ah?

- Sim, tu disseste “a mulher para ser ideal tem que”. A minha pergunta é “tem que haver uma mulher ideal?”. Ideal para quê? O que é ser ideal?

- A questão não é essa. Naqueles programas fomenta-se um determinado estereótipo. Defende-se que a mulher tem que ser de determinada forma para ser escolhida.

- Ok, eu já percebi essa parte. Mas essas mulheres não estão lá porque querem?

- Estão, mas...

- E não tem o direito de escolher estar ali, daquela forma?

- O que? Fomentar estereótipos?

- Então vamos por partes: Nós queremos ser livres, queremos ter direitos, liberdade, fazer o que queremos, pensar como entendemos, seguir o caminho que escolhermos, sem que haja ninguém a impedir-nos disso, simplesmente porque somos mulheres, certo?

- Sim.

- Defendemos o fim dos estereótipos, do caminho demarcado, a ideia da mulher como uma máquina de fazer filhos, ou a dona de casa, submissa às ordens do marido, ou do pai.

- Claro.

- Mas a mulher não pode querer participar em programas de televisão, onde há homens que as escolhem, seja para o que for, nos critérios que assim entenderem?

- O quê?

- Estou muito confusa. Afinal, as mulheres podem ser tudo, exceto aquilo que as outras mulheres acham que não podem ser.

- Não é nada disso. Mas...

- Sabes o que a minha mãe sempre fez questão de deixar claro lá em casa? Que por lá "reinava" a democracia... a democracia dela.

 

Ainda bem que a democracia dela me ensinou que liberdade é, também, aceitar que os outros pensem de forma diferente da minha. E não os julgar por isso.

 

M.

17
Set18

Vamos jogar ao jogo da bolha?

quatro de treta e um bebé
Hoje pretendo lançar-vos um desafio. Na verdade, propor-vos um jogo. 
 
Quantos de vocês conhecem o JOGO DA BOLHA? Para os mais distraídos, este jogo é conhecido pela sua "facilidade". Na versão original, pela facilidade de ganhar dinheiro.
 
As regras do jogo são de fácil perceção (neste jogo tudo, à partida, é fácil): apenas entra quem é convidado e a única coisa que cada pessoa tem que fazer é arranjar 2 pessoas que a queriam acompanhar. 
 
 

índice.jpg

 

Seguindo a imagem supra, também ela de fácil perceção, a primeira pessoa situa-se num primeiro nível, angariando duas pessoas, que se situarão no segundo nível e que, por sua vez, cada uma delas angariará outras duas, formando-se, assim, o terceiro nível. Chegados ao nível quatro (constituído pelas pessoas que o nível 3 angariou) a bolha rebenta e formam-se duas bolhas autónomas. Cada pessoa que estava na bolha original sobe de nível recomeçando tudo outra vez, e assim sucessivamente.  
 
Neste tipo de jogo é vantajoso que  todos trabalhem para o mesmo, independentemente do nível, pois só dessa forma todos crescerão mais rápido. 
 
Posto isto, o que vos venho hoje propor, é o Jogo da Bolha numa versão Feminista (aceitam-se sugestões para alterar o nome do jogo, uma vez que criatividade, como se vê é algo que neste momento não está do meu lado). Sei que o facto de trocar o dinheiro pelo feminismo pode tornar o jogo menos atrativo. Todavia, parece-me que podem experimentar e dizer-me como correu.
 
Sou adepta daquela teoria que nos diz que se queremos mudar o mundo, temos que começar por mudar a nossa própria casa. 
Entendo que de nada serve fazer parte de associações, movimentos cívicos, grupos disto ou daquilo, fazer campanhas, ir para as ruas com cartazes, chocar, expor, dizer que, se não se faz o básico, o mais banal, o mais fácil!
Em boa verdade, talvez a melhor maneira de fazer passar a palavra seja através das regras do jogo da bolha. 
 
Sou, clara e convictamente, feminista. E como feminista a primeira dificuldade que tenho é em explicar aquilo que o feminismo não é. Mais do que aquilo que é. Aquilo que não é. E isto, só por si, talvez já diga muita coisa.
 
Sou, também clara e convictamente, tendenciosa quando o tema são associações feministas. Desde logo, porque todas elas, acabam por cair no extremismo e mulher acaba sempre como vítima de alguma coisa.
 
Assim, o meu objetivo a partir de hoje, é conseguir explicar a duas pessoas que me são próximas o que o feminismo não é mas também o que o feminismo é. E convencê-las a fazer o mesmo com outras duas pessoas. E assim sucessivamente, como no jogo da bolha. 
 
Se esta ideia for bem sucedida não teremos mais que assistir a mulheres no mundo a justificar as derrotas com sexismo, e muito menos teremos pessoas a concordar com isso.
A propósito Serena, o feminismo não serve como justificação de derrotas.
 
Já dizia o outro: a diferença entre vencer e fracassar está no saber perder.
 
M.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D