Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

quatro de treta e um bebé!

"Não me digam que concordam comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado." – Oscar Wilde

16
Out19

Os meus amores pequeninos (parte 2)

quatro de treta e um bebé

Não imaginava o que seria o amor de tia.

Ser tia nunca foi uma ambição minha, tão pouco um plano, um desejo, sequer uma eventualidade pensada.

Como já vos contei, fui filha única até aos 19 anos, quando nasceu a S.

Não ter irmãos significava não ter nada do que vem associado à irmandade; mormente, significava não ter sobrinhos.

Naturalmente, após nascer a S., sobrinhos não foi, de todo, uma ideia que tivéssemos contemplado. Afinal de contas, a S. acabou de fazer 9 anos, pelo que espero que não me dê essa novidade durante muito, muuuuiiiito tempo.

Talvez em relação aos meus primos, a relação mais próxima desse género, os meus brothers from another mother, ainda imaginasse vir a ser tia, mas, novamente, nada de muito pensado, planeado, ou sequer ambicionado.

Surge o J. e com ele traz não um, não dois, não três, mas quatro irmãos. Ainda assim, sobrinhos, nem pensá-los.

Passam uns anos e nasce o A. Uns anos depois, nasce o D.

E heis que dou por mim uma tia babada.

Sim, sim, tia. A irmã é do J., mas os sobrinhos são nossos.

Fosse o J. diferente, fosse eu diferente, ou fossemos nós diferentes, e até poderia nem ser assim. Mas não somos; somos assim. A loucura da minha família já é dele, e a loucura da família dele já é minha. Vejam lá que o J. já merece ser individualizado no discurso de agradecimento dos 80 anos da minha avó M. (e olhem que foi um momento muito solene!).

De entre tantas coisas boas que o J. trouxe à minha vida (ele próprio incluído), trouxe-me também dois amores pequeninos.

Descobri recentemente este novo sentimento, o amor de tia – e tão bom que é.

Sim, sou daquelas tias babadas que fala dos sobrinhos como se tivessem acabado de ganhar a bola de ouro, ou um óscar, ou o nobel da paz. Daquelas que se baba a ver os vídeos e as fotografias das peripécias dos pequenos. Mesmo daquelas que volta e meia diz “sabes que os meus sobrinhos fazem isto e aquilo”.

É que, não é por serem meus, mas são, efetivamente, os sobrinhos mais fofos de todo o universo.

Ser tia, descobri eu, é algo de fabuloso.

Ser tia é ter a oportunidade de ser uma figura de referência, é poder ser um porto de abrigo, uma amiga que é mais do que isso, e, quando os pais nos permitem e nos incluem da forma inclusiva como a irmã do J. o fez, a possibilidade de, junto dos pais, participar ativamente na vida de bebés/crianças/jovens/adultos que, não sendo nossos, o são.

É ser uma companheira de aventuras e brincadeiras, ser aquele adulto que, como o Panda, é fixe. Ser, como o J. gosta de dizer, “os tios malucos” (ou, como eu prefiro, “os tios favoritos”).

Mas também estar pronta para se for preciso ser o adulto que diz “não, isso não”.

É que isto de ser tia não é só folia, também é responsabilidade!

É perceber que somos importantes para aqueles seres tão pequeninos, entender que eles sentem a nossa falta, que nos estranham e ressentem se ficamos ausentes, que a nossa validação é importante e que o nosso apoio pode ser decisivo.

Quanto ao nosso grupo, a S. contemplou-nos com a felicidade de sermos tias emprestadas da nossa B., pelo que de tudo faremos também para tornar a vida da pequena B. mais feliz, com essa benesse e bem-vinda responsabilidade que nos foi atribuída.

Tive a sorte de ter tios e tios-avós fabulosos que marcaram, e continuam a marcar, a minha vida de uma forma muito positiva e muito importante.

Espero poder vir a, de certa forma, retribuir, tudo o que recebi enquanto sobrinha, como tia.

Até lá, e sempre enquanto mo permitirem, espero poder ser uma presença positiva na vida destes meus amores pequeninos.

3.jpg

R.

14
Ago18

As tias da B.

quatro de treta e um bebé

São muitas, mais que muitas.
Umas "de gema" outras emprestadas ... mas todas igualmente queridas para nós e para a nossa B.
Mas há mais!! Há aquelas especiais que vos quero dar a conhecer.

Afáveis, brincalhonas, carinhosas, espevitadas, malandras, cheias de energia. As mais queridas.
São duas. Uma mais crescida que outra. Uma mais arisca que outra. E ambas um amor.
Têm 4 e 1 ano e 9 meses.
São minhas irmãs e, por isso, tias da B.
São lindas e uma perdição.
Por agora, derreto-me a vê -las juntas.
Quando estamos juntas não paro de registar o momento.

WhatsApp Image 2018-08-14 at 15.28.29.jpeg

A mais velha já dá colinho sozinha. Cobre-a, aconchegando-a (quase sufocando). Dá-lhe mimo, acalma- a dizendo "ponto, ponto, está aqui a Tia". Explica-lhe que ela não pode ir ao parque porque é pequenina. Esconde-lhe as coisas perigosas com medo que se magoe. Tão pequenina e tão protectora.

WhatsApp Image 2018-08-14 at 14.32.54.jpeg

A mais novinha esfrega-lhe as mãos todas na cara, quer dar beijinhos, abraços e fala imenso com ela. Grita "bebé, bebé" e não a deixa sossegada. Quer brincar com ela e espevitá-la. 

Não há coração que aguente este quadro tão bonito de tias e sobrinha que conta apenas com 1mês.
Estou certa de que tias e sobrinhas brincarão ainda muito. E sairão ainda mais (para meu desassossego).
Ao contrário de todos, o "só sais se fores com as tuas tias" não me trará o sossego que se impunha.
E acrescentarei, "liga ao vovô primeiro, para saber se as tias também vão a essa festa".

WhatsApp Image 2018-08-14 at 15.26.56.jpeg

Falta-me dar nota que nesta família moderna, ainda há uma avó de 33 anos. 

E um cunhado (pai da B.) que dá colo às cunhadas e as leva à praia, brinca com elas, leva-as ao parque, dá-lhes gomas e "pernas de pau".

WhatsApp Image 2018-08-14 at 14.46.36.jpeg

 

É assim que por cá o coração anda: preenchido e de sorriso permanente.

A seu tempo dar-vos-ei a conhecer a outra tia e madrinha da B., minha irmã de sangue. Essa mais crescida e mais velha que eu.

Está do outro lado do mundo mas perto porque quem manda é o coração.

 

S.

 

31
Jul18

Nasceu a Benedita... e o Blog!

quatro de treta e um bebé

transferir.png

 

Nasceu a Benedita! A 5 de Julho de 2018, às 23h45, passou a fazer ainda mais sentido dar seguimento a este blog, que há muito (mesmo muito) se encontra em stand-by.
“Quatro de treta…e um bebé”, surgiu de uma amizade entre quatro pessoas que uma tal Ordem dos Advogados juntou.
Fomos #ofuturodaadvocaciaemportugal! Vivemos em conjunto a atribulada (adjetivo simpático) ingressão da OA. Estudamos juntas, mesmo à distância, tiramos dúvidas, debatemos temas, reclamamos, apoiamo-nos, fomos em frente, levamos tudo na frente e hoje somos #opresentedaadvocaciaemportugal. E que presente!
Não consigo dizer como é que esta ideia do blog surgiu. Mas serve, simplesmente, para opinar! Afinal, somos Advogadas, opinamos e pronto! O objetivo é partilhar ideias, sobre tudo, cada uma à sua maneira.
Iria chamar-se “Quatro de Treta e um Café”, mas entretanto, a Sofia deu-nos a melhor das noticias… IAMOS SER TIAS!
Sem qualquer dúvida que o 5.º elemento do grupo deveria ter um papel neste blog como irá, com toda a certeza, ter nas nossas vidas… o principal.
Assim… eis o “Quatro de Treta e um Bebé”… a Benedita. Que nasceu há uma semana e já impulsinou o nascimento deste blog também.

 

M.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D